Inauguração solene do restauro de telas do pintor Mestre Tavares Correia (datadas de 1930)

A inauguração solene do restauro de 6 telas do Mestre Tavares Correia, datadas da década de 1930, decorreu na sexta-feira, 12 de julho, na Igreja de Nossa Senhora da Piedade, na freguesia de Ponta Garça.

Na ocasião, o Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca do Campo, Ricardo Rodrigues, começou por recordar a existência das telas na Igreja na sua infância, para, de seguida, considerar que “não há cultura sem autores, sem criadores, mas também não há cultura sem aqueles que a divulgam”, motivo pelo qual felicitou a Comissão da Paróquia de Nossa Senhora da Piedade, de quem partiu a iniciativa de recuperar as referidas obras de arte sacra.

“O património religioso é muito visto e admirado e Ponta Garça recupera um valioso património que pode, agora, ser contemplado por locais e visitantes, numa das mais belas igrejas do nosso Concelho. Estou certo de que será motivo de paragem para muitas pessoas, pelo que compete-nos divulgar e dar a conhecer a arte e a sacralidade que este tempo encerra”, vincou o Autarca.

Por sua vez, a Diretora Regional da Cultura, Susana Goulart, frisou a honra pessoal e institucional de partilhar com a população de Ponta Garça este momento em que as pinturas voltam à Igreja, agora restauradas.

“Olhamos para as telas como instrumentos de arte, mas também como uma ferramenta de doutrina e de catequese, bem como uma ferramenta de ciência, do ponto de vista da sua consubstanciação material”, observou.

Já o pároco da Paróquia de Nossa Senhora da Piedade, Padre Oniel Ramiro, considerou uma honra estar presente, “nesta noite histórica para a freguesia, em que concretizamos a realização de um sonho, que se mostra publicamente nesta obra de restauro e beneficiação do seu património”.

“Ao contemplar a arte sacra, defendeu, “façamos com a devida devoção, sem nos deixar cegar pelos valores mundanos. Que todos os homens se abram e saibam acolher os talentos que lhes foram concedidos, para que, através das suas obras, possam dignificar a vida humana”.

Entretanto, o restaurador das telas, o vila-franquense Armando Moreira, lembrou que assumiu a responsabilidade de restaurar “este valioso património, um património inestimável de Ponta Garça e dos Açores”, há oito meses, e frisou a ajuda de Estela Monge nos trabalhos de restauração.

A sua intervenção situou-se no arranjo de um painel de azulejos e do altar de Santo António, no folheamento de todos os candelabros a ouro e, por fim, no restauro da coleção de 6 telas a óleo, datadas de 1930 e executadas pelo Mestre Tavares Correia. “Uma responsabilidade enorme que muitas vezes deu lugar à emoção”, confessou.

A inauguração solene terminou com um recital, a cargo do Conservatório Regional de Ponta Delgada.