Pub

A Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo anunciou hoje que a Graciosa vai receber, a 30 de novembro, a prova ‘Graciosa Windmills Trail’, considerando que se trata de “um excelente evento de promoção desta ilha em particular, mas também uma grande oportunidade de divulgar o enorme potencial que a Região, no seu todo, tem ao nível dos trilhos pedestres”.

Marta Guerreiro, que falava na apresentação do evento, no âmbito da visita estatutária do Governo, referiu que a Graciosa junta-se, assim, às provas de trail “já conhecidas nas ilhas do Faial, Pico, São Jorge, São Miguel, Santa Maria e Flores”.

O ‘Graciosa Windmills Trail’ acolhe a final da Taça de Portugal de Trail 2019, competição organizada pela Associação de Trail Running de Portugal, que atribui o título a um dos 100 finalistas de entre os 2.500 que participaram nas mais de 40 provas de qualificação realizadas em todo o país.

“Este evento será composto por duas provas, uma que faz parte da Taça de Portugal para os atletas apurados de todos os escalões, cerca de 100, e uma outra prova, aberta, com um limite de 80 atletas”, adiantou Marta Guerreiro.

A titular da pasta do Turismo evidenciou o facto de esta ser “uma prova que percorre a Grande Rota da Graciosa, permitindo a promoção da mesma, contemplando grande parte da ilha, através de um percurso circular que alterna entre paisagens da orla costeira, com destaque para os diversos ilhéus, e as paisagens vulcânicas do interior da ilha, numa extensão total de aproximadamente 40 quilómetros”.

O percurso une a zona da Barra e a freguesia da Luz, tornando possível a contemplação de zonas costeiras a este e a sul da ilha, apresentando-se mais suave na zona da Praia e com arribas mais altas e escarpadas na Ponta da Restinga, com destaque para as reservas naturais dos ilhéus da Praia e de Baixo.

Também é possível apreciar a paisagem vulcânica mais emblemática da ilha – a Caldeira -, havendo a oportunidade de visitar, no seu interior, a Furna do Enxofre, uma importante cavidade vulcânica com cerca de 40 metros de altura e 194 metros de comprimento, e a lagoa existente no seu interior.

Destaque ainda para a Caldeirinha de Pêro Botelho, um algar vulcânico na Serra Branca que constitui um verdadeiro miradouro natural sobre grande parte da ilha, o vale entre o Maciço Central e o Maciço da Caldeira e as relheiras de antigos carros de bois na zona das Fontes.

“Com este enquadramento, acreditamos que esta primeira edição será um sucesso, com repercussões ao nível da notoriedade da ilha e da Região”, salientou Marta Guerreiro, realçando “a época do ano em que esta prova decorre, por constituir um importante trunfo para o combate ao desafio que a sazonalidade nos impõe”.

“Este é mais um perfeito exemplo da captação de segmentos de mercado que visitam o nosso destino fora das épocas de maior afluência, onde é possível encontrar as melhores condições para a prática de desportos e de outras atividades”, frisou Marta Guerreiro.

Pub