PUB

O Hospital de Ponta Delgada retomou o sistema de visitas aos doentes internados, suspensas há um ano como “medida de contenção” relacionada com a prevenção da infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, anunciou a unidade hospitalar.

Numa nota de imprensa enviada hoje às redações, o conselho de administração do Hospital do Divino Espírito Santo (HDES) informa que a maior unidade de saúde dos Açores “retomou as visitas diárias a todos os utentes, nos períodos entre as 12:00 e as 14:00 horas e das 18:00 às 20:00 horas”.

Segundo o Hospital de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, cada utente poderá ter uma visita de cada vez, dentro do horário estipulado.

PUB

Em relação aos acompanhantes, “cumpre-se o decorrente da legislação em vigor, sendo esta gerida pela respetiva enfermaria, assim como, as exceções para os casos de terminalidade”, lê-se ainda na nota enviada às redações.

No caso das unidades de Cuidados Intensivos, Cuidados Intermédios e Tratamento Intensivo Coronário, a unidade de saúde esclarece que as visitas “poderão ocorrer em períodos de 30 minutos, entre as 13:30 e as 14:00 e as 19:00 e as 19:30, sendo igualmente permitida a presença de um visitante junto a cada utente”.

“Com as novas disposições, deixa de ser obrigatória a realização prévia de teste de despiste à covid-19, mas continua “a ser necessária a utilização de máscara FFP2 e outros procedimentos preventivos como cumprir a etiqueta respiratória ou a lavagem e desinfeção correta e frequente das mãos”, acrescenta o hospital.

O hospital salienta, no entanto, que, em caso de “sintomatologia gripal ou contacto com alguém com doença infetocontagiosa”, o utente “não deverá comparecer à visita”.

Em janeiro de 2022, o Hospital do Divino Espírito Santo informou na sua página oficial na rede social Facebook que, “na sequência da evolução epidemiológica da pandemia da covid-19 na ilha de São Miguel, e após parecer” da comissão técnica de monitorização da covid-19 do hospital, foi determinada “a suspensão das visitas aos utentes internados”.

Pub