PUB

A diretora-geral da saúde, Graça Freitas, que termina o mandato no final do ano, manifestou a vontade junto da tutela de não renovar a nomeação, confirmou hoje à agência Lusa o Ministério da Saúde.

A notícia foi avançada pelo jornal Observador e confirmada a Lusa por uma fonte da Direção-Geral da Saúde e pelo Ministério da Saúde, que avançou que “está assegurada a permanência no cargo até à sua substituição”.

Na resposta escrita enviada à Lusa, o ministério liderado por Manuel Pizarro agradeceu “a disponibilidade demonstrada pela diretora-geral da Saúde no término do seu mandato e todo o empenho e dedicação na liderança da Direção-Geral da Saúde ao longo dos últimos anos, de um modo especial na resposta à pandemia, a maior crise global de saúde pública do último século”.

PUB

A designação do futuro titular do cargo de Diretor-Geral da Saúde seguirá a tramitação legal, em obediência às regras de recrutamento, seleção e provimento dos cargos de direção superior da Administração Pública, adianta o ministério.

“A escolha será naturalmente efetuada dentro de um perfil que se enquadre no quadro das competências da DGS, onde sempre estiveram presentes as responsabilidades da Autoridade de Saúde Nacional na resposta a emergências sanitárias e de saúde pública”, lê-se na resposta.

Pub