Pub

O Exército Português dirigiu, na Academia Militar – Destacamento da Amadora e no Campo Militar de Santa Margarida, durante esta semana, a 11.ª Edição do Exercício Anual de Cibersegurança CIBER PERSEU, evento que contou com a presença do Governo Regional dos Açores.

O CIBER PERSEU 2022, conduzido pelo Comando das Forças Terrestres e pela Direção de Comunicações e Sistemas de Informação, visou, num ambiente conjunto, combinado e interagências, exercitar e avaliar a capacidade de resposta a incidentes no ciberespaço e contribuir para a promoção do desenvolvimento das capacidades nacionais de ciberdefesa.

A 11.ª edição do Exercício CIBER PERSEU contou, para além das Forças Armadas nacionais, com as Forças e Serviços de Segurança e com um largo espetro de entidades da comunidade civil, comunidade académica, sectores público e privado e a base industrial de defesa, envolvendo ainda as Forças Armadas de sete países: Brasil, Cabo Verde, Espanha, Índia, Marrocos, Moçambique e Roménia.

A comunidade CIBER PERSEU contabilizou, nesta edição a participação de cerca de 50 organizações, refletindo um cariz multinacional, multidisciplinar, militar, académico e empresarial, reforçando o contributo dos participantes para a estratégia nacional de ciberdefesa.

Durante os quatro dias do exercício os participantes foram confrontados com mais de 210 incidentes, relacionados com campanhas de ‘phishing’ e de engenharia social, ‘data breachs’, falhas no fornecimento de energia, roubo de credenciais, entre outros, contribuindo para testar as capacidades de resposta e resiliência de todas as entidades envolvidas e de preparação para os desafios da cibersegurança.

O Exercício CIBER PERSEU foi composto por cinco missões, tendo o Governo Regional dos Açores participado, com uma equipa multidisciplinar, composta por elementos da Presidência do Governo Regional dos Açores, da Secretaria Regional das Finanças, Planeamento e Administração Pública – SRFPAP e da Direção Regional das Comunicações e da Transição Digital – DRCTD.

O Executivo Regional participou em duas missões: a missão MS03, dedicada à resposta, analise e investigação de um ciber incidente, uma missão de teor eminentemente técnico; e a missão MS04, um ciberataque ao sector publico e privado, que consistiu numa missão de teor eminentemente processual e procedimental.

Com esta participação, o Governo Regional dos Açores pretendeu traduzir a importância que atribui e reconhece à cibersegurança, nomeadamente, na promoção de uma cultura de segurança, relativa à utilização dos meios informáticos, contribuindo para a sensibilização e aumento da ciber-maturidade das empresas e dos cidadãos; no desenvolvimento de uma estratégia de cibersegurança regional, assente em politicas adequadas, em articulação com um conjunto de entidades nacionais com competências em matéria de cibersegurança, para uma proteção eficaz contra as ameaças com origem no ciberespaço; promoção na formação de recursos, especialistas em matéria de cibersegurança, nos seus diferentes vetores.

O XIII Governo Regional dos Açores foi o primeiro a colocar a cibersegurança no Programa do Governo e executou, em 2022, um investimento de dois milhões de euros  nessa área, apoiado no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), o Azores Cyber 360º, assumindo a cibersegurança como um dos pilares de desenvolvimento do seu território e procurando consolidar o seu posicionamento de vanguarda ao nível da Inovação e Desenvolvimento Tecnológico.

Pub