Governo Regional destaca contributo da Cooperativa Verde Atlântico para a valorização da carne dos Açores

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas destacou hoje, no Pico, o contributo da Cooperativa Verde Atlântico para a valorização da carne açoriana e procura de novos mercados, o que tem transmitido confiança a toda a fileira.

“A Verde Atlântico está neste momento a enviar carne de bovino desmanchada para um distribuidor no continente português. Isso implica, naturalmente, uma valorização da carne e mais valias que ficam na Região”, afirmou João Ponte, que falava no final de uma visita às obras da sala de desmancha do Matadouro do Pico, concessionada a esta cooperativa.

Para João Ponte, este é um “bom exemplo do trabalho” que está a ser feito nos Açores no âmbito da fileira da carne e que contribui para transmitir confiança a todos os envolvidos neste setor.

Recentemente, a Verde Atlântico começou a comercializar uma marca própria de carne, denominada ‘Prado Atlântico’, que está a ser vendida no continente português e que, segundo os responsáveis da cooperativa, está a ter “boa aceitação” junto dos consumidores, o que se tem traduzido num aumento da procura.

“É importante este trabalho que a Verde Atlântico está a fazer e, por isso, é que o Governo Regional apoia a cooperativa num conjunto de investimentos que estão a ser executados na sala de desmancha, numa perspetiva de potenciar ainda mais o seu trabalho”, salientou João Ponte.

O Secretário Regional manifestou também esperança que o recém-criado Centro de Estratégia Regional para a Carne dos Açores (CERCA) possa dar um contributo importante para uma maior afirmação e, sobretudo, valorização da carne açoriana.

“Ainda há um diferencial no preço pago ao produtor de carne do continente em relação à carne produzida nos Açores. Isso, do nosso ponto de vista, não faz sentido”, frisou João Ponte, acrescentando que, se os operadores locais estiverem melhor organizados e trabalharem melhor no acabamento dos animais, isso poderá significar que, no futuro, a carne dos Açores seja ainda mais valorizada.

Relativamente à obra na sala de desmancha do Matadouro do Pico, o Secretário Regional referiu que as candidaturas apresentadas pela Verde Atlântico, num valor superior a 200 mil euros, foram alvo de uma comparticipação pública de 70%.

Em questão, está a instalação de um túnel de congelação, um detetor de metais, bem como equipamento informático, entre outros.

A Cooperativa Verde Atlântico pretende também avançar com processos de certificação reconhecidos internacionalmente IFS e ISO 2000, bem como a certificação em modo de produção biológico, a construção de um armazém de apoio e de um cais de expedição.