PUB

A Secretária Regional da Solidariedade Social afirmou hoje que o Governo dos Açores, em colaboração com a Santa Casa da Misericórdia do Corvo, reabilitou o edifício onde está instalada a valência de creche, permitindo, desta forma, aumentar o número de vagas nesta resposta.

Andreia Cardoso salientou que, fruto de uma intervenção apoiada pelo Governo dos Açores em 600 mil euros, “a requalificação deste edifício permitiu não apenas criar novas instalações e um ambiente de aprendizagem melhorado para os seus futuros pequenos ocupantes, mas aumentar a sua capacidade em creche de 12 para 18 crianças, ao mesmo tempo que mantém as 12 vagas em jardim-de infância”.

PUB

Na cerimónia de inauguração das obras de reabilitação do edifício, que foi presidida pelo Presidente do Governo, Vasco Cordeiro, a Secretária Regional frisou que a melhoria dos espaços de aprendizagem é uma preocupação que o Executivo açoriano partilha “com as várias entidades parceiras e que vê vertida agora no seu I Plano Bianual 2018-2019 de Combate à Pobreza e à Exclusão Social no qual se projeta para este período a requalificação de 150 vagas em creche na Região”.

Além destas, o Governo dos Açores tem também inscrita no documento a criação de 130 novas vagas nesta resposta social até ao final de 2019, com o intuito de incentivar uma maior integração de crianças até aos três anos no ensino pré-escolar e, desta forma, promover melhorias da sua qualidade de vida, ao nível da sua estimulação e desenvolvimento.

“É mais um sinal de uma aposta clara que tem vindo a ser feita no reforço de respostas sociais dirigidas à infância e juventude nos Açores, no reforço das opções para as nossas crianças, no reforço para as opções das nossas famílias”, afirmou Andreia Cardoso, relembrando que a Região dispõe atualmente de mais de 3.000 vagas em creches e amas, numa rede de apoio à infância que representa um investimento anual que ronda os 30 milhões de euros para o seu funcionamento.

De acordo com Andreia Cardoso, “uma sociedade desenvolvida e coesa deve alocar recursos e conciliar esforços no sentido de proporcionar às suas crianças e jovens, numa perspectiva integral, as condições necessárias a um crescimento saudável”.

Pub