Pub

AÇORES 9 TV EM DIRETO

O Governo dos Açores vai reforçar a verba deste ano destinada ao projeto “Eco-Freguesia”, de gestão de resíduos e promoção da qualidade ambiental, “com mais um milhão de euros, triplicando a dotação inicialmente prevista”.

A informação foi revelada hoje pelo secretário regional do Ambiente e Alterações Climáticas, Alonso Miguel, na entrega de equipamentos de manutenção de linhas de água às freguesias da ilha Terceira contempladas em 2021, no âmbito do projeto “A Minha Ribeira”, integrado no programa “Eco-Freguesia, Freguesia Limpa”.

Citado numa nota divulgada pelo executivo açoriano, o governante salienta que, “correspondendo aos apelos das juntas de freguesia, o Governo Regional decidiu reforçar a verba destinada ao ‘Eco-Freguesia’, para 2022, com mais um milhão de euros, triplicando a dotação inicialmente prevista”.

Na nota, o secretário regional com a tutela do Ambiente destaca que o programa “Eco-Freguesia” tem demonstrado ser “um instrumento fundamental de cooperação entre o Governo Regional e as juntas de freguesia da região na gestão de resíduos, na promoção da qualidade ambiental” e na conservação dos recursos naturais.

O projeto ‘A Minha Ribeira’ permite disponibilizar equipamentos, como corta sebes elétricos e roçadoras, para capacitar e auxiliar as juntas de freguesia nos trabalhos de monitorização, manutenção e limpeza das linhas de água.

De acordo com dados da secretaria regional do Ambiente, em 2021 “inscreveram-se 140 freguesias” no programa “Eco-Freguesia, Freguesia Limpa”, uma centena das quais apresentaram candidatura ao projeto “A Minha Ribeira”, assegurando “a intervenção em mais de 200 quilómetros de linhas de água” da região.

Dessas candidaturas resultou a atribuição de equipamentos a 30 juntas de freguesia, de sete ilhas do arquipélago, num investimento que ronda os 20 mil euros, lê-se na nota do Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM).

Na nota, o secretário Regional sublinha ainda que a limpeza dos espaços públicos e desobstrução de ribeiras são aspetos fundamentais para reduzir riscos de cheias e inundações, deslizamentos de terra, erosão dos solos, contribuindo para “a proteção de pessoas e bens e para evitar prejuízos materiais e financeiros avultados”.

Pub