Governo dos Açores promete intensificar relações com Europa e Diáspora em 2020

O secretário para as Relações Externas do Governo dos Açores, Rui Bettencourt, quer agir com “maior intensidade”, em 2020, em torno dos fundos europeus e reforçar as relações com a diáspora açoriana.

O Secretário Regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas considerou hoje, na Horta, que o ano de 2020 ficará marcado pela “intensificação” da ação na Europa e na Diáspora.

“O ano de 2020 vai ser um ano de enorme intensificação em relação a essas duas frentes, em relação aos Açorianos no mundo e em relação às questões europeias, portanto será um ano particularmente importante nesta afirmação dos Açores e na defesa dos Açores na Europa e no mundo”, afirmou Rui Bettencourt, em declarações no final de uma audição na Comissão de Política Geral da Assembleia Legislativa.

O governante frisou que se trata de “agir com maior intensidade” quer em relação ao Parlamento Europeu e às quatro comissões parlamentares que têm a ver com os Açores, nomeadamente Desenvolvimento Regional, Agricultura, Pescas e Orçamento, mas também em relação à Comissão Europeia, que inicia “um novo ciclo institucional” numa altura em que se define o Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027.

Para o titular da pasta das Relações Externas, a posição dos Açores é “muitíssimo clara”, reiterando que são contra os cortes nos fundos e a redução da taxa de cofinanciamento, “que exigiria um esforço acrescido dos Açores”, salientou o Secretário Regional.

Rui Bettencourt recordou a “estratégia” que o Governo dos Açores desenvolveu desde o início, envolvendo a sociedade açoriana numa “posição de conjunto” que “reforçou” a posição do Executivo açoriano, mas também estabelecendo contactos a diversos níveis junto das instituições europeias.

“Estamos muito contentes em ter tido essa estratégia de combate desde o início e também na estratégia de implicação das forças vivas politicas e sociais porque a nossa posição nos Açores em relação ao quadro financeiro teve não só uma discussão política nesta casa, a Assembleia Legislativa, mas também um debate social em que implicamos as forças da sociedade açoriana para debater que futuro queremos nós”, afirmou.

“O que apresentamos ao Parlamento Europeu e ao seu Presidente, a vários Comissários europeus da Comissão cessante – e assim faremos com a nova Comissão -, foi uma estratégia para o futuro dos Açores com implicação politica e social, com a sociedade açoriana e com a sociedade politica dos Açores, e com o Governo dos Açores a liderar”, acrescentou o Secretário Regional sublinhando que “sendo feito assim tem outra força”.

Rui Bettencourt adiantou que as respostas que têm sido obtidas vão no sentido do que se pretende, de não haver diminuição dos fundos comunitários, quer para as questões da Política Agrícola Comum, quer para a Politica de Coesão, quer para o POSEI, em particular.

“Vai no sentido daquilo que queremos e também dá razão à nossa estratégia, que é haver uma grande implicação do Parlamento açoriano também nas questões externas”, frisou.

Rui Bettencourt manifestou otimismo em relação à posição da próxima Comissão Europeia e também em relação à posição do Parlamento Europeu no que diz respeito aos fundos e às taxas de cofinanciamento, tendo em conta “a perceção e a compreensão da situação açoriana” que tem existido nos diversos contactos efetuados “para que a posição dos Açores vingue”.

Por outro lado e no que diz respeito à Diáspora, salientou também a intensificação nessa área, onde considerou que foi dado “um salto gigantesco” no relacionamento com os Açorianos no mundo com a criação do Conselho da Diáspora Açoriana, “que permite um maior reconhecimento e valorização e também uma maior aproximação em relação a todos os Açorianos no mundo”.