Pub

Numa nota publicada na página na Internet do Governo Regional, o executivo açoriano endereça ainda à família e ao Parlamento Europeu “sentidas condolências”.

David Sassoli, nascido em Florença, “foi um europeísta convicto, revelando sempre o seu caráter humanista enquanto Presidente do Parlamento Europeu, cargo que exerceu com elevação e, no exercício do qual, promoveu a defesa dos valores da União Europeia, nomeadamente da democracia e da solidariedade”, lê-se ainda.

Sassoli morreu hoje aos 65 anos em Aviano (Itália), onde se encontrava hospitalizado desde 26 de dezembro, sendo o primeiro presidente do Parlamento Europeu a morrer em exercício de funções, nas quais estava prestes a ser substituído, no cumprimento de um acordo de partilha do mandato de cinco anos.

David Sassoli contraiu uma pneumonia em setembro de 2021, que o obrigou a receber tratamento hospitalar em Estrasburgo, França, e, embora tenha recebido alta hospitalar uma semana depois, prosseguiu a recuperação em Itália e esteve mais de dois meses ausente das sessões plenárias do parlamento, regressando no final do ano.

As cerimónias fúnebres de Sassoli, segundo divulgou o porta-voz do presidente do PE, Roberto Cuillo, iniciam-se na quinta-feira, com uma câmara ardente, na sala dela Promoteca do Campidoglio, em Roma, das 10:00 às 18:00 (menos uma hora em Lisboa).

O funeral terá lugar na sexta-feira, 14, às 12:00 (11:00 de Lisboa) na igreja de Santa Maria degli Angeli, também em Roma.Na próxima semana, na primeira sessão plenária do ano, o Parlamento Europeu deverá eleger um novo presidente da assembleia, algo que já estava previsto a meio da atual legislatura, e não relacionado com o estado de saúde de Sassoli.

Pub