Governo dos Açores forma profissionais de saúde da Terceira para intervenção junto de crianças e jovens em risco

A Secretária Regional da Solidariedade Social salientou hoje, em Angra do Heroísmo, que a formação é “uma tarefa em contínuo”, frisando que “a capacitação é uma necessidade permanente” devido ao facto de as crianças, mas também as famílias, apresentarem “continuamente necessidades novas”.

“Com as crianças, cada oportunidade que se perde é um problema que se cria”, afirmou Andreia Cardoso, que falava na abertura de uma ação de formação promovida pelo Comissariado dos Açores para a Infância sobre o tema ‘Crianças Vítimas de Abusos: A Intervenção em Saúde’, dirigida a profissionais que exerçam funções em entidades com competência em matéria de infância e juventude na área da saúde, envolvidos nos cuidados e acompanhamento a crianças e jovens, nomeadamente médicos, enfermeiros, psicólogos, terapeutas e outros profissionais daquelas equipas.

Andreia Cardoso enalteceu “todos aqueles que são agentes nas escolas, na saúde, seja nos centros de saúde ou nos hospitais, e que desempenham um papel essencial no domínio da prevenção, essencial no domínio da deteção de situações de perigo ou de risco para a vida das crianças”.

Nesse sentido, frisou que o Governo dos Açores há muito que entende que é necessário garantir que estes agentes “o fazem de uma forma devidamente capacitada” e que este será “um trabalho a continuar”.

Destacando o facto de que a intervenção junto deste público, desenvolvida através do Comissariado dos Açores para a Infância, tem vindo a angariar parceiros das mais diversas áreas, Andreia Cardoso afirmou que o Executivo açoriano pretende “chegar a todos”, estando já prevista a disponibilização de formação para os agentes do meio escolar.

“É impossível fazê-lo em simultâneo, mas é fundamental que se faça”, assegurou a Secretária Regional.

O programa de formação tem como objetivos promover a qualificação da intervenção através da aquisição de conhecimentos e competências específicas no âmbito da intervenção destas entidades na promoção dos direitos e proteção das crianças, procurando, igualmente, dotá-las de instrumentos que sustentem a sua análise e decisão em relação às situações que lhes são reportadas ou de que têm conhecimento.

A iniciativa conta, na qualidade de formadores, com a participação de Teresa Magalhães, médica especialista em Medicina Legal, professora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e do Instituto Universitário de Ciências da Saúde, e de Jorge Duarte, Procurador da República.

Está prevista para outubro uma edição desta formação a desenvolver no Hospital da Horta, no Faial, tendo já sido disponibilizada a mesma formação a cerca de 140 profissionais de São Miguel no início deste ano.