Governo dos Açores defende aumento da produção de leite no Faial, Pico e Flores para assegurar sustentabilidade do setor

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas defendeu hoje, na Horta, a necessidade de aumentar a produção leiteira nas ilhas do Faial, Pico e Flores para assegurar a viabilidade das indústrias e a sustentabilidade do setor leiteiro.

“Isso não se passa só no Faial, passa-se também no Pico e nas Flores. São pequenas indústrias, quantidades de leite baixas e é difícil rentabilizar as fábricas, pelos elevados custos de produção para transformar quantidades reduzidas de leite”, afirmou João Ponte, sublinhando que não se trata de má gestão por parte dos responsáveis das cooperativas.

João Ponte, que falava no final das reuniões com a Direção da Associação de Jovens Agricultores do Faial e o Conselho de Administração da Cooperativa Agrícola de Lacticínios do Faial – CALF, salientou que produzir mais, significa maior rentabilidade das explorações, mas também garantir a sustentabilidade do setor leiteiro, com tudo o que isso representa em termos de criação de emprego, de exportações e de dinamismo para as economias locais.

“Para garantir a sustentabilidade deste setor é preciso, por um lado, que a produção produza mais, entregue mais leite nas fábricas, e que a indústria seja capaz de acrescentar mais valor ao leite que recebe e transformá-lo em produtos com maior valorização nos mercados, de modo a pagar melhor aos produtores, incentivando, desta forma, a produzirem mais”, frisou João Ponte, salientando que, ao contrário de acontece em algumas indústrias de São Miguel, na Terceira e na Graciosa, não existem limites de produção no Faial, Pico e Flores.

O titular da pasta da Agricultura salientou ainda que, da parte do Governo Regional, o desafio passa por garantir melhores condições ao nível das infraestruturas, acessibilidades, abastecimento de eletricidade e água às explorações, lembrando que os agricultores, a indústria e o Governo devem, em conjunto, trabalhar para garantir a sustentabilidade deste setor na ilha do Faial.

João Ponte reforçou ainda que a sustentabilidade do setor leiteiro é fundamental para a ilha do Faial, não só por aquilo que representa ao nível do emprego, na economia que gera à volta da indústria dos lacticínios e do setor, mas também pelo montante de ajudas ao nível do POSEI e PRORURAL+, que contribuem para o rendimento das explorações.