PUB

O subsecretário da Presidência do Governo dos Açores, Pedro Faria e Castro, assegurou hoje que o projeto para a construção de um porto espacial na ilha de Santa Maria vai avançar em 2023.

“Em 2023, o porto espacial vai avançar. O concurso e o respetivo caderno de encargos estão a ser reformulados. Partem de um pressuposto diferente daquele que caiu em abril”, afirmou o governante, durante o plenário do parlamento regional, na Horta, numa sessão de perguntas ao Governo Regional sobre Santa Maria por iniciativa da IL.

Faria e Castro respondia ao deputado do BE António Lima, que pediu explicações ao Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM) sobre as declarações de Ricardo Conde, presidente da Agência Espacial Portuguesa (PT Space), que, em entrevista ao Diário de Notícias (a 15 de novembro), revelou que existem “vários projetos que vão ser erguidos já a partir de janeiro” em Santa Maria.

PUB

O deputado bloquista manifestou “preocupação” pelos marienses terem conhecimento da situação “através de jornais por intervenientes de fora da região”.

“Não façam da relação dos Açores com a PT Space o que não é. A PT Space [também] é dos Açores. É uma instituição na qual participamos. É dos Açores. Somos sócios. Aquilo que a PT Space faz nos Açores, faz com o acordo e a colaboração ativa do Governo dos Açores”, retorquiu o subsecretário.

Faria e Castro avançou ainda que a implementação do Centro Tecnológico Espacial em Santa Maria deverá “ficar resolvida nas próximas semanas”, com a cedência de terrenos à PT Space, para permitir a aterragem do projeto do veículo reutilizável europeu, o Space Raider.

 “É um assunto que será resolvido nas próximas semanas. Não depende de mim. Depende da passagem dos terrenos do aeroporto por parte da Câmara de Vila de Porto para a PT Space, onde será finalmente iniciado o Centro Tecnológico Espacial que acolherá as infraestruturas para o Space Raider”, detalhou.

Instado pelo deputado do PPM Paulo Estêvão, Faria e Castro explicou que aquele centro tecnológico vai permitir instalar projetos espaciais que depois de lançados podem retornar à base.

Antes, o deputado da IL, Nuno Barata, tinha condenado as “respostas vagas” do executivo dos Açores sobre os projetos espaciais em Santa Maria, alertando que a estratégia regional para o Espaço está “atrasada” e que os marienses exigem “respostas objetivas”.

O socialista João Vasco Costa também criticou a falta de capacidade do executivo Regional, realçando que o projeto do porto espacial em Santa Maria “foi deixado pelo governo anterior do PS praticamente fechado”.

O deputado do PS perguntou ainda pelos estudos ambientais e económicos para a construção do porto espacial, levando o subsecretário a responder que o projeto vai ter iniciativa privada e que serão as “entidades concorrentes a escolher a localização dos terrenos, o que não acontecia antes”, porque o modelo proposto pelo Governo Regional anterior era uma parceria público-privada.

A 06 de abril, o Governo Regional revelou que a ausência de estudos económico-financeiros e de impacto ambiental iria obrigar a adiar o lançamento do novo concurso para a construção do porto espacial de Santa Maria, lançado naquele dia.

Pub