PUB

O Governo dos Açores assegurou hoje que o abastecimento à ilha das Flores “nunca ficará por fazer”, depois de o porto da Lajes ter sido encerrado, devido às condições meteorológicas adversas.

“O abastecimento nunca ficará por fazer. Tem é sempre sobrecustos, mas é a nossa realidade e é com essa realidade que temos de viver. As populações estão em primeiro lugar”, afirmou aos jornalistas a secretária do Turismo, Mobilidade e Infraestruturas, Berta Cabral, na ilha do Corvo.

Aquele porto, que foi destruído pelo furacão Lorenzo em outubro de 2019, está a ser reconstruído, mas a secretária regional avançou que a ponte cais (que tem permitido o abastecimento à ilha) “não foi danificada” pelo mau tempo de sábado.

PUB

“[O abastecimento] estará sempre garantido. Ou pela SATA, ou pela Força Aérea ou pela mutualista que tem o navio ‘Thor’. Estará sempre garantido. Sobre isso não há duvida nenhuma”, reforçou.

Berta Cabral avançou que a partir de segunda-feira um grupo de mergulhadores das Forças Armadas vai ao local realizar uma peritagem.

“Esta depressão foi muito intensa. A proteção que existia do antigo cais, que já estava parcialmente destruída, veio toda para o interior da bacia de manobra. Tudo isto tem de ser removido e limpo. Tem de haver mergulho de profissionais para fazer peritagem”, salientou.

O capitão do Porto de Santa Cruz das Flores, João Manuel Mendes Cabeças, explicou à agência Lusa que a infraestrutura portuária está encerrada desde sábado à navegação, “devido ao mau tempo”, mas a forte agitação marítima “fez com que fossem arremessadas”, para o interior da baía do porto, “pedras que constituíam o antigo quebra-mar”.

“Por questões de segurança, mergulhadores vão realizar uma breve inspeção junto à nova ponte-cais para ver se não há nenhum obstáculo à navegação”, acrescentou ainda.

O molhe do porto das Flores, o único porto comercial da ilha, ficou destruído na sequência da passagem do furacão Lorenzo, em outubro de 2019, originando constrangimentos no abastecimento à população.

Em 21 de outubro a operacionalidade do Porto das Lajes das Flores foi reposta com a primeira atracação do navio “Monte da Guia” na nova ponte-cais, entretanto construída.

Na ocasião, a empresa Portos dos Açores, responsável pela gestão portuária na região, lembrou que a conclusão da nova ponte-cais integra uma “fase intermédia” da empreitada de construção do novo molhe principal do porto, que tem “elevada complexidade técnica e permanente exposição às desafiantes” condições atmosféricas.

De acordo com a empresa, o projeto do porto para repor “definitivamente” a capacidade portuária da infraestrutura das Lajes das Flores tem previsão de lançamento de procedimento concursal “no primeiro trimestre de 2023” e a obra deverá ficar concluída “até final de 2028”.

Em julho, o Governo dos Açores (PSD/CDS-PP/PPM) indicou que o projeto de reordenamento e de construção do novo molhe principal do porto das Lajes das Flores permitirá triplicar a capacidade de acostagem e assegurar novas condições de operacionalidade.

Segundo o executivo açoriano, o projeto de reordenamento do porto e de construção do novo molhe “permitirá praticamente triplicar a capacidade de acostagem”.

Pub