Governo dos Açores aposta no aumento do conhecimento dos agricultores sobre controlo de roedores

José Élio Ventura

O Diretor Regional da Agricultura afirmou hoje que o Governo dos Açores quer aumentar o nível de conhecimento dos agricultores sobre as melhores práticas de controlo integrado de roedores, por forma a minimizar os impactos negativos que esta praga pode provocar nas explorações e nas culturas agrícolas.

“O resultado do inquérito feito às grandes explorações leiteiras da ilha de São Miguel permitiu apurar que é preciso prosseguir com ações referentes ao cumprimento da legislação em vigor, mas também com ações formativas e informativas relativas ao controlo integrado de roedores”, frisou José Élio Ventura.

O Diretor Regional, que falava no final de uma visita a uma exploração de produção de leite no concelho de Ponta Delgada, adiantou que “38% dos inquiridos afirmou ter implementado um plano de controlo de roedores e 58% disse desconhecer a legislação regional em vigor em matéria de controlo de roedores”.

O questionário, acrescentou, teve como objetivo aferir a perceção dos agricultores em relação aos problemas provocados pelos roedores nas explorações e o grau de conhecimento sobre as suas obrigações legais em matéria de controlo de roedores.

O universo de agricultores abrangidos neste inquérito teve em conta a sua dimensão, a existência de instalações fixas nas suas explorações agrícolas, alimentos armazenados e estarem, por isso, sujeitos, de acordo com a legislação em vigor, à obrigatoriedade de implementação de um plano de controlo de roedores.

“A grande maioria dos agricultores revelou que opta por combater os roedores, em primeiro lugar, com rodenticida e, em seguida, recorrendo a gatos nas explorações”, salientou o Diretor Regional, acrescentando que “apenas um pequeno grupo de agricultores referiu implementar medidas de antiratização, designadamente ao nível das boas práticas de limpeza, de armazenagem de alimentos e utilização de armadilhas”.

Na sequência do inquérito efetuado estão já a decorrer visitas técnicas a várias explorações agrícolas e agropecuárias na ilha de São Miguel para uma verificação informal do cumprimento dos procedimentos obrigatórios definidos no Manual de Boas Práticas de Controlo para a Região Autónoma dos Açores.

“Esta medida visa reforçar a sensibilização dos agricultores para a necessidade de adotarem boas práticas de forma preventiva e implementarem planos de controlo de roedores, como forma de evitar prejuízos provocados pela sua presença nas explorações”, disse José Élio Ventura, alegando que se trata de ações do interesse dos produtores e que a iniciativa vai ser alargada a outras ilhas.

Nos últimos três anos, o Governo Regional investiu cerca de 390 mil euros na aquisição de 130 toneladas de rodenticida para combater a proliferação de ratos, um trabalho que tem vindo a ser feito em plena articulação com os municípios e juntas de freguesia.

Partilha