Governo dos Açores apoia reforço da resposta médico veterinária na ilha do Faial

O Diretor Regional da Agricultura afirmou hoje, na Horta, que o Governo dos Açores vai apoiar a Cooperativa de Lacticínios da Ilha do Faial (CALF) para contratar mais um médico veterinário, permitindo reforçar o serviço que já é prestado por estes profissionais aos animais das explorações agrícolas faialenses.

“O Governo dos Açores tem várias medidas e sistemas de incentivos às organizações de produtores, como é o caso do Programa de Apoio à Gestão das Organizações de Produtores (PAGOP) e, por essa via, a CALF pode apresentar uma candidatura e contratar um médico veterinário, cujo vencimento será suportado pelo Executivo em cerca de 80%”, referiu José Élio Ventura, no final de uma reunião do Secretário Regional da Agricultura com as direções das associações agrícolas da ilha do Faial e a da CALF.

Nesta reunião com João Ponte foi feita uma avaliação junto das organizações de produtores relativamente à prestação do serviço de clínica médico veterinária na ilha do Faial.

O Diretor Regional salientou que a solução encontrada para reforçar o número de médicos veterinários no Faial permite dar “uma resposta ainda mais estruturada e reforçada” aos agricultores, destacando que a CALF, que passará a ter dois médicos veterinários, já presta um serviço de medicina veterinária de qualidade e está devidamente equipada para o efeito.

“Com este reforço da equipa médico veterinária julgo que existem condições para também prestar outro tipo de serviços aos agricultores, designadamente ao nível do controlo de gestação nas explorações leiteiras, que é um instrumento e uma medida particularmente importante porque o facto de um animal, mais concretamente uma vaca leiteira, entrar rapidamente em gestação significa que o animal é mais produtivo e a rentabilidade das explorações fica melhor assegurada por essa via”, afirmou.

José Élio Ventura referiu ainda que a decisão da CALF de contratar mais um médico veterinário justifica-se plenamente.

“Vivemos em ilhas e não podemos correr o risco de ficar sem profissionais a prestar serviço aos animais e, por essa via, salvaguardar a questão do bem-estar animal, tanto a animais de produção como de companhia”, frisou o Diretor Regional.