Pub

O Governo dos Açores adiantou hoje, em resposta a um requerimento enviado pelo BE, que o Plano Regional de Vacinação para a covid-19 vai ser alterado, de forma a prever a imunização da população do Corvo.

“Perante as recentes declarações do delegado de saúde do Corvo, que anunciou que seriam vacinadas 200 pessoas no Corvo sem a aplicação das prioridades estabelecidas no Plano Regional de Vacinação, que estão relacionadas com a idade, profissão e condição de saúde”, o Bloco de Esquerda pediu hoje ao Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM) que justificasse “esta decisão política que viola o documento estratégico para a vacinação conta a covid-19 nos Açores”.

No requerimento enviado ao parlamento açoriano, os bloquistas referem que “poderão ser vacinados já este mês, por exemplo, jovens e adultos saudáveis na ilha do Corvo, quando milhares de pessoas […] que o Plano Regional de Vacinação aponta como prioritárias – idosos, profissionais de saúde e pessoas com patologias que comportam alto risco quando associadas à covid-19 – vão continuar à espera de vacina”.

Questionado pela agência Lusa, o diretor regional da Saúde dos Açores, Berto Cabral, esclareceu que não haverá uma violação do plano, porque este vai sofrer “uma alteração, para permitir que a ilha do Corvo possa ser toda vacinada”.

A inclusão do Corvo nesta fase prende-se com os “parcos recursos de saúde” da mais pequena ilha açoriana, bem como com “a logística de transporte de vacinas”.

“Nós podemos preparar uma operação para o Corvo que, na verdade, são muito poucas vacinas e o mau tempo condicionar o envio. Podemos estar a levar poucas ampolas de cada vez e depois ficam ampolas paradas em qualquer sítio, porque o mau tempo não deixou chegar lá. Temos de ter isso tudo presente”, concretizou o governante.

No requerimento enviado à Assembleia Legislativa regional, o BE menciona ainda que, considerando que a ilha do Corvo tem cerca de 460 habitantes, “200 vacinas não serão suficientes para toda a população da ilha”.

Sobre este número, o diretor regional afirmou que o delegado de saúde do Corvo “é que está a fazer o levantamento”, e que é preciso “perceber quem quer e não quer levar a vacina”. Além disso, “há pessoas com menos de 16 anos que não têm critério para serem vacinas”.

Berto Cabral lembrou ainda que “há pessoas que estão fora da ilha” e, por isso, o número de pessoas a vacinar não corresponde às estatísticas da população.

Existem presentemente 426 casos ativos na região, sendo 346 em São Miguel, 56 na Terceira, 18 no Faial, quatro no Pico, um nas Flores e um no Corvo.

Desde o início da pandemia, foram detetados até hoje nos Açores 3.647 casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença covid-19, verificando-se 26 óbitos e 3.060 recuperações.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 2.227.605 mortos resultantes de mais de 102,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 12.757 pessoas dos 726.321 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Pub