PUB

O presidente do governo açoriano alertou hoje que o executivo vai avaliar a possibilidade de apoiar as empresas com base em “factos” e não em “temores”, depois de os empresários terem reivindicado apoios devido à subida dos preços.

“Nós estamos prontos para avaliar. Tal como aconteceu com a crise sismovulcânica de São Jorge, lidaremos com factos e não com temores. Estaremos prudentes e disponíveis para cooperar”, afirmou Bolieiro aos jornalistas em Vila do Porto, após uma reunião integrada na visita estatutária à ilha de Santa Maria.

Na sexta-feira, a delegação da AHRESP/Açores reivindicou a criação de medidas de apoio aos empresários até ao final do ano, alertando o Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM) para a situação “desesperante” que pode levar empresas à insolvência.

PUB

No mesmo dia, a Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada (CCIPD) manifestou preocupação pelo “agravamento brutal” do preço da energia elétrica em 2023 nos Açores, revelando a intenção de solicitar uma reunião ao presidente do Governo Regional.

Hoje, quando questionado sobre as revindicações, Bolieiro avançou que vai ter reuniões como os empresários e assegurou que o executivo regional “está atento e a acompanhar a situação”.

“Aquelas que forem, efetivamente, situações graves, fundamentadas e factuais, podemos ver o esforço que publicamente podemos assumir no apoio às empresas e sobretudo às atividades económicas”, afirmou.

Em declarações à Lusa, a presidente da AHRESP na região, Cláudia Chaves, deu o exemplo da abertura, na quarta-feira, de novas candidaturas ao programa Apoiar, lançadas pelo Turismo de Portugal, uma iniciativa da “maior relevância” para o tecido empresarial, mas que “não tem aplicação” nos Açores.

“Estamos há três meses a insistir com o Governo dos Açores para apresentar novas medidas de apoio e ninguém se chega à frente. É desesperante para as microempresas. Temo que muitas, desta vez, vão optar pela insolvência em 2023″, avisou a empresária.

Na quarta-feira, o Turismo de Portugal anunciou um reforço de 70 milhões de euros para o programa Apoiar e a abertura das candidaturas até 22 de dezembro.

Pub