Flávio Soares defende “condições de estabilidade profissional” para os jovens das ilhas mais vulneráveis

O Presidente da JSD/Açores alertou ontem para a necessidade de se reverem as políticas para o emprego e a fixação de jovens na Região, “especialmente nas ilhas mais vulneráveis”, referiu.

No encerramento de uma visita efetuada a São Jorge, Flávio Soares frisou que “o que tem faltado em ilhas como São Jorge são políticas de proximidade”.

O presidente da JSD regional recordou os números recentemente divulgados que estimam que, “desde 2012, os Açores perderam oito mil jovens – sensivelmente a população total da ilha de São Jorge”.

“Há falta de emprego, há falta de oportunidades nas nossas ilhas, principalmente nas ilhas mais vulneráveis. E há uma necessidade urgente de fixar jovens, algo que nem o governo nem as autarquias jorgenses estão a saber fazer”, criticou.

Para o Presidente da JSD/Açores, “se não criarmos condições de emprego e de estabilidade profissional, por mais carinho que um jovem tenha à sua terra, não a troca por um local onde encontre essa estabilidade ou a possibilidade de constituir família”.

Flávio Soares falava depois de uma visita de três dias à ilha de São Jorge, iniciativa que constou da moção global de estratégia, aprovada no último Congresso da JSD/Açores.

O líder social democrata explicou ainda que o objetivo das visitas que tem feito passa por “estar próximo dos jovens açorianos, auscultar os seus problemas e as reais dificuldades de cada uma das ilhas, trabalhar de mãos dadas com a estrutura da JSD, do PSD e da sociedade civil na procura das suas soluções”, sendo que voltou a realçar a importância de um debate regional à volta do tema da desertificação das ilhas mais vulneráveis.

Depois das reuniões e encontros com importantes setores de São Jorge, Flávio Soares inicia hoje uma visita à ilha do Pico.