Pub

Uma das chaves do triunfo obtido hoje pelos ‘dragões’ foram os 11 triplos convertidos, com Brad Tinsley em foco neste capítulo, contra quatro do Sporting.

A equipa portista também foi mais forte junto às tabelas, tendo somado 16 ressaltos ofensivos e 31 defensivos (31), ao passo que os ‘leões’ tiveram 11 e 29, respetivamente.

A produção atacante das duas equipas nos primeiros 10 minutos prenunciou um jogo que acabou por não se verificar, porque a qualidade foi quase sempre baixa na restante meia hora e as duas equipas somaram muitos erros entre lançamentos e passes falhados e faltas desnecessárias.

O Sporting começou bem e, com Travante Williams em bom plano, esteve mesmo vencer por 18-12, mas depois o FC Porto reagiu, conseguiu sete pontos consecutivos e aos 10 minutos ganhava por 22-21.

O período que se seguiu até ao intervalo foi mal jogado. Travante Williams podia ter dado o empate ao Sporting nos dois lances livres de que dispôs a quatro segundos, mas apenas converteu um e o FC Porto foi para o intervalo em vantagem por dois pontos.

A desinspiração das duas equipas continuou na segunda parte e traduziu-se em zero pontos durante mais de três minutos após o intervalo. Sucederem-se então perdas de bola, passes e lançamentos falhados e o jogo ficou confuso.

Com pouco mais de 500 espectadores presentes, o pavilhão teve um ambiente morno e o FC Porto mostrou-se menos irregular nas suas ações e foi levando a ‘água ao seu moinho’, mantendo-se na frente até que Travante Williams ganhou um ressalto e empatou a 26 pontos.

O encontro ganhou então mais emoção, as duas equipas tornaram-se mais intensas e o marcador acusava 52-50 favorável aos portistas à entrada para os 10 minutos finais, graças a um triplo de Paul Jorgensen.

O Sporting voltou depois aos erros, desperdiçou diversas situações para empatar, Diogo Ventura fez duas faltas seguidas com o resultado em 57-55 e 59-55 e os ‘leões’ alienaram em definitivo as suas hipóteses com uma ponta final em que lhes faltou serenidade e o FC Porto foi mais astuto e consistente.

A equipa lisboeta mantém-se na frente do campeonato, com 22 pontos em 12 jogos, e o FC Porto ocupa o terceiro posto, com menos um ponto e mais um jogo.

Jogo no Dragão Arena, no Porto.

FC Porto — Sporting, 66-59.

Ao intervalo: 39-37.

Sob a arbitragem de Sérgio Silva, Nuno Monteiro e José Gouveia, as equipas alinharam e marcaram:

– FC Porto (66): Charlon Kloof (2), Brad Tinsley (14), Rashard Odomes (11), Miguel Queiroz (9) e João Soares (7). Jogaram ainda: Francisco Amarante (6), Paul Jorgensen (9), Vladyslav Voytso (2), Mus Barro (6), João Torrié e Tiago Almeida.

Treinador: Moncho López.

– Sporting (59): Travante Williams (17), Diogo Ventura (4), Micah Downs (5), Joshua Patton (16) e João Fernandes. Jogaram ainda: Tanner Omlid (5), Miguel Cardoso, António Monteiro (6), João Fernandes (4) e Daniel Relvão (2).

Treinador: Luís Magalhães.

Marcha do marcador: 22-21 (10 minutos), 39-37 (intervalo), 52-50 (30 minutos) e 66-59 (resultado final).

Assistência: 545 espetadores.

Pub