Antes do início da reunião da Comissão Política Nacional, fonte oficial social-democrata indicou que Miguel Poiares Maduro, ex-ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional do Governo PSD/CDS-PP de Passos Coelho, aceitou simbolicamente integrar a lista do PSD ao Parlamento Europeu no último lugar, 29.º de uma lista composta por 21 efetivos e 8 suplentes, em “sinal de apoio”.

Em declarações aos jornalistas na mesma ocasião, o secretário-geral do PSD, José Silvano, salientou que, há dois meses, a comissão permanente do partido aprovou o princípio de que apenas uma das Regiões Autónomas indicaria um nome nos seis primeiros lugares da lista – este ano, a Madeira –, enquanto que a outra teria direito ao oitavo lugar, também considerado elegível pelo dirigente social-democrata.

“Se a Comissão Política Nacional aprovar este princípio será isto que acontecerá”, afirmou José Silvano, antes do início da reunião da direção do PSD, que decorre em Coimbra e antecede a do Conselho Nacional.

Silvano salientou que, quando o princípio foi aprovado, não havia ainda nomes em cima da mesa e só depois a Comissão Política Regional dos Açores decidiu indicar o antigo presidente da Assembleia da República, Mota Amaral.