“O objetivo desta greve é chamar a atenção do Governo para a urgência deste problema e exigir uma ação governamental face ao mesmo, se não agirem agora será a geração atual de estudantes que irá sofrer mais, estão de certa forma a hipotecar as nossas hipóteses de futuro”, disse à Lusa Duarte Antão, um dos coordenadores nacionais da greve.

De acordo com Duarte Antão, estudante da Faculdade de Direito de Coimbra, não é possível calcular o número de pessoas que vão sair à rua por todo o país, mas através das redes sociais e dos contactos que têm vindo a receber os “números parecem bastante promissores.”

Em Portugal estão previstos protestos, entre outras cidades, em Lisboa, Porto, Coimbra, Faro, Covilhã, Aveiro, Évora e nos arquipélagos da Madeira e dos Açores.

As greves vão ter discursos, cânticos, cartazes e instalações de sensibilização, mas segundo Duarte Antão distinguem-se por serem “a primeira manifestação do país a unir todos os alunos desde crianças do jardim de infância até alunos de doutoramento” e é nessa “união” que reside a sua força.

Segundo a organização, centenas de milhares de alunos são esperados em mais de 100 países, numa greve mundial das escolas pelo clima que visa exigir dos políticos ações concretas contra as alterações climáticas.

De acordo com a página eletrónica www.fridaysforfuture.org, que reúne os protestos anunciados em todo o mundo, até esta tarde estavam previstas 1.693 manifestações em 106 países.

Esta greve escolar mundial, que tem como lema “fazer greve por um clima seguro” culmina uma série de manifestações semanais iniciadas no ano passado pela adolescente sueca Greta Thunberg.