Escola Profissional discriminada nos cursos para construção civil anunciados pelo governo

O PSD da Ribeira Grande saiu hoje em defesa da Escola Profissional do concelho, lamentando que, no recente anúncio de que serão ministrados cursos na área da construção civil, feito pelo presidente do Governo Regional “se tenha sabido que os mesmos apenas vão acontecer na Escola Profissional de Capelas, na sequência de uma parceria com a AICOPA”, isto depois da Escola Profissional da Ribeira Grande (EPRG) “ter manifestado, por várias vezes, o seu interesse na área”, adiantam.

A concelhia liderada por Jaime Vieira lembra que, em fevereiro de 2018, a ESRG reuniu com os representantes da AICOPA “para auscultar as necessidades de formação na área, após a própria associação ter noticiado, em janeiro do mesmo ano, a carência de jovens qualificados para o setor”, referem.

Da mesma forma, em abril de 2018, “a EPRG candidatou-se a formações modulares na área, que não foram aprovadas” e, em setembro, “foi a única escola da Região a apostar na abertura de um curso técnico profissional de condução de obra”.

“Já este ano, em março, a EPRG voltou a apresentar uma candidatura a formações modulares na área da construção civil, entre outras, para a qual ainda aguarda a resposta”, reforçam os social democratas locais.

O PSD da Ribeira Grande critica ainda o facto de terem sido aprovados 14 cursos PROFIJ de nível II – com equivalência ao 9ºano – “apenas à Escola Profissional de Capelas, estando os alunos, inclusive os do concelho da Ribeira Grande, a serem contactados e encaminhados para estes cursos, quando o concelho possui uma escola profissional com provas dadas ao longo dos seus 21 anos de existência”.

Os social democratas acrescentam que a EPRG possui instalações na área de carpintaria, que implicaram um grande investimento, assim como tem apostado na lecionação de eletrónica e telecomunicações e nas áreas de Andares e de Restaurante/Bar.

“Houve uma notória falta de estratégia da tutela, porquanto os cursos PROFIJ podiam ter sido distribuídos por várias escolas da Região, contribuindo para a rentabilização dos espaços e dos investimentos de cada uma dessas escolas”, consideram.

O PSD/Ribeira Grande conclui, dizendo que “a deslocação dos alunos do nosso concelho para as Capelas é difícil, constituindo um verdadeiro transtorno sobretudo no que toca às freguesias da zona nascente do concelho, dada a rede deficitária dos transportes públicos”.