Pub
Início Regional Governo dos Açores diz que corte nos duches na Caldeira Velha foi...

Governo dos Açores diz que corte nos duches na Caldeira Velha foi “pontual”

Pub

O Governo dos Açores considerou esta quarta-feira que o corte nos duches da Caldeira Velha foi “pontual” e ficou a dever-se a uma “diminuição do caudal da nascente” onde é feita a captação da água.

Os turistas nos Açores que se deslocam para banhos no monumento natural da Caldeira Velha têm sido confrontados com falhas no abastecimento de água nos balneários e sanitários, segundo o PSD/Açores.

A deputada social-democrata Catarina Furtado referiu num requerimento enviado à mesa do parlamento dos Açores que “têm vindo a público, há já algum tempo, reclamações e manifestações de insatisfação dos visitantes relacionadas com o abastecimento de água para utilização nos balneários e nas instalações sanitárias”.

A parlamentar indica que “a capacidade dos reservatórios se revela insuficiente face às reais necessidades do local”, exemplificando que “são vários os casos, sobretudo a partir das 15 horas, em que os visitantes, apesar de pagarem o bilhete de visitação completa de oito euros, que inclui visita e banhos, se veem impossibilitados de tomar banho nos balneários ou de utilizar as instalações sanitárias por falta de água para o efeito”.

Numa nota enviada às redações, o Governo dos Açores esclarece que, “em resultado de uma diminuição do caudal da nascente onde é feita a captação da água para o consumo sanitário do monumento natural, houve necessidade de recorrer ao encerramento pontual dos duches, por períodos entre duas a três horas, nos dias 21 e 22 de junho e no dia 16 de agosto, de forma a não comprometer o funcionamento dos sanitários”.

O executivo açoriano refere que no final dos dias 09, 14, 17, 23 e 24 de julho “existiram suspensões do abastecimento aos duches, por períodos de cerca de uma hora, de forma a permitir a reposição dos níveis de água nos tanques e garantir a retoma imediata do abastecimento aos sanitários”, sendo que “apenas no dia 21 junho existiu um pequeno período de falta de água para abastecimento dos sanitários”.

A empresa pública Azorina está entretanto a efetuar uma “monitorização diária da nascente”, de forma a avaliar se se “trata de uma diminuição pontual ou sazonal do respetivo caudal”, tendo recorrido aos Bombeiros Voluntários da Ribeira Grande para abastecimento pontual de água à Caldeira Velha.

Segundo o Governo Regional, a suspensão dos duches na tarde do dia 16 de agosto “deveu-se à impossibilidade de os Bombeiros da Ribeira Grande efetuarem o serviço requisitado na hora prevista”, face a uma emergência, o que atrasou o abastecimento em cerca de três horas.

O executivo socialista considera que o atual modelo de gestão do monumento natural da Caldeira Velha “é reconhecidamente adequado e qualificador” daquela área protegida e tem “encontrado eco extremamente positivo nas referências de quem visita aquele local”, como é “facilmente verificável pelos inúmeros testemunhos que podem ser encontrados nas plataformas e redes digitais”.

Esclarecimento do Governo dos Açores sobre falha de abastecimento de água na Caldeira Velha

Na sequência do comunicado do PSD, com eco em alguns órgãos de comunicação, acerca da falha de abastecimento de água na Caldeira Velha, importa esclarecer o seguinte, sem prejuízo da oportuna resposta ao requerimento apresentado:

1. No início de 2018, o Governo dos Açores reassumiu a gestão do Monumento Natural da Caldeira Velha, na ilha de São Miguel, com o objetivo de implementar um novo modelo de gestão daquela área protegida, face à ocorrência de diversos problemas, designadamente a inexistência de limitação da capacidade de carga, a contaminação microbiológica das águas e a ausência de controlo de espécies exóticas invasoras.

2. Consequentemente e considerando os objetivos de gestão e conservação da área protegida foram fixadas capacidades de carga e estabelecidos períodos máximos de permanência, implementaram-se protocolos de controlo regular da qualidade das águas, desenvolveram-se ações de controlo de espécies invasoras e de plantação de espécies endémicas, ao mesmo tempo que se promoveu a melhoria das condições de fruição da área protegida pelos visitantes.

3. Por mais que o PSD, atacado por uma inveja primária, gostasse que fosse diferente, o facto é que o atual modelo de gestão do Monumento Natural da Caldeira Velha é reconhecidamente adequado e qualificador daquela área protegida e tem encontrado eco extremamente positivo nas referências de quem visita aquele local e usufruiu de uma experiência única de bem-estar, como é facilmente verificável pelos inúmeros testemunhos que podem ser encontrados nas plataformas e redes digitais.

4. A ênfase atribuída pelo PSD a pequenos e pontuais problemas de abastecimento de água sanitária na Caldeira Velha revela um partido falho de ideias e sem projetos para os Açores.

5. Efetivamente, em resultado de uma diminuição do caudal da nascente onde é feita a captação da água para o consumo sanitário do Monumento Natural, houve necessidade de recorrer ao encerramento pontual dos duches, por períodos entre duas a três horas, nos dias 21 e 22 de junho e no dia 16 de agosto, de forma a não comprometer o funcionamento dos sanitários.

Para além do referido, no final dos dias 9, 14, 17, 23 e 24 de julho existiram suspensões do abastecimento aos duches, por períodos de cerca de uma hora, de forma a permitir a reposição dos níveis de água nos tanques e garantir a retoma imediata do abastecimento aos sanitários.

Apenas no dia 21 junho existiu um pequeno período de falta de água para abastecimento dos sanitários.

6. Neste contexto, a Azorina, S.A., está a efetuar uma monitorização diária da nascente, de forma a avaliar se se trata de uma diminuição pontual ou sazonal do respetivo caudal, tendo recorrido aos Bombeiros Voluntários da Ribeira Grande para abastecimento pontual de água à Caldeira Velha.

Assim, a suspensão dos duches na tarde do dia 16 de agosto deveu-se à impossibilidade dos Bombeiros da Ribeira Grande efetuarem o serviço requisitado na hora prevista, em virtude da resposta a uma emergência, o que atrasou o abastecimento em cerca de três horas.

Pub