Equipa do Clube Naval da Horta com participação meritória no mundial de vela da classe J80

A equipa do Clube Naval da Horta que participou a semana passada no 17.º Campeonato do Mundo de Vela da ‘Classe J80’, em França, regressou ao final da tarde desta terça-feira, 17 de julho, à ilha do Faial, depois de ter concluído 13 das 14 regatas da prova, na qual se posicionaram, na classificação final global, em 68.º lugar, com o veleiro denominado “Enjoy Azores”.

Competindo numa frota extremamente exigente, onde mais de seis dezenas de equipas eram constituídas por velejadores profissionais, a representação açoriana – constituída por Armando Castro, Nuno Santos, Luís Carlos  Decq Mota e Pedro Guedes da Rosa, três destes Campeões de Portugal de Vela de Cruzeiro em 2004 – acabou por conseguir uma participação bastante meritória, sendo certo que o colectivo era constituído por desportistas amadores e, ademais, sem conhecimento prévio aprofundado da embarcação na qual competiram.
Na preparação para o “J80 Worlds 2018”, que decorreu na cidade de Les Sables d’Olonne, os velejadores açorianos tiveram apenas seis dias de treinos para contacto com esta Classe J80 e com o campo de regatas onde iriam decorrer as provas, tendo, apesar de tudo, numa das regatas, ao final do terceiro dia de mar, obtido um extraordinário 28.º lugar parcial.
O resultado final desta tripulação do Clube Naval da Horta, que acedeu a este importante evento desportivo internacional por convite especial da Municipalidade de Les Sables d’Olonne (cidade que desde 2006 se liga à ilha do Faial, por via da organização conjunta de grandes eventos de vela oceânica de alta competição), acabou também por ser seriamente afectada pela desclassificação a que foram sujeitos no final da 5.ª regata da prova, no segundo dia de regatas, devido a um toque inadvertido numa das bóias delimitadoras da linha de chegada, situação que, na oportunidade, foi alvo de um protesto por parte de outra equipa concorrente.
Outros contratempos foram também surgindo com reflexo directo na prestação final da equipa açoriana, que ao quarto dia de prova viu a sua vela-balão (spinnaker) rasgar-se, ao mesmo tempo que se foi confrontando, ao longo dos diferentes dias de prova, com sérios problemas de afinação do mastro da embarcação, que exigia intervenção entre cada uma das regatas, sem que a equipa tivesse oportunidade de vir a terra para tentar ultrapassar o problema.
Não obstante estas dificuldades ao nível desportivo, a participação da equipa da ilha do Faial traduziu-se num inegável sucesso social e promocional, em face das acções de marketing empreendidas em França, com disponibilização no ‘village‘ do Mundial J80 de queijos e vinhos regionais num stand propositadamente montado para o efeito e na projecção de filmes de divulgação das riquezas naturais e paisagísticas do arquipélago dos Açores. Acresce a isto que a tripulação do Clube Naval da Horta, a única portuguesa em competição, foi uma das mais requisitadas pela comunicação social francesa para entrevistas e reportagens, sendo durante vários dias uma das únicas nove – num universo de mais de 70 equipas em prova – a figurar com imagem de grande plano na página inicial do site oficial deste “J80 Worlds 2018”.
O Campeonato do Mundo de Vela da Classe J80, que se encerrou no último fim-de-semana em Les Sables d’Olonne – onde já está, entretanto, uma frota de quase 60 veleiros da Classe Mini 6.50 prontos a fazer-se ao mar, para a 7.ª edição da regata «Les Sables / Les Açores / Les Sables», que larga de França no próximo domingo, 22 de Julho -, contou com um total de 73 equipas participantes (de quatro a seis velejadores cada, num máximo acumulado de 350 kg de peso humano), representando nove países diferentes: França, Bélgica, Holanda, Grã-Bretanha, Irlanda, Espanha, Portugal, Rússia e Oman.
De entre a frota em competição contavam-se 62 equipas masculinas, 3 femininas e 8 mistas, as quais se achavam repartidas em dois grupos, entre amadores (‘Corinthian’) e profissionais (‘J80’) e de acordo com a idade das tripulações, neste caso separadas em três grupos, entre jovens, seniores e masters, aqui se incluindo os maiores de 46 anos de idade.
De um total de 15 regatas previstas foram levadas a efeito a quase totalidade, 14 – uma seria cancelada por falta de vento -, cada com cerca de 6 milhas de extensão e pouco mais de uma hora de duração, tendo o domínio total ido para as equipas espanholas, com quatro colocadas nos cinco primeiros lugares da tabela geral ao final dos cinco dias de prova (Espanha ficou com os 1.º, 2.º, 4.º e 5.º classificados). Nos dez primeiros situaram-se quatro tripulações francesas (nos 3.º, 7.º, 8.º e 9.º lugares), ficando em 6.º a formação da Rússia e em 10.º uma das tripulações da Irlanda presente neste “J80 Worlds 2018”. Refira-se, por curiosidade, que o conjunto de velejadores do Oman situou-se no lugar 52 deste Campeonato do Mundo.
O veleiro que agrupa esta classe é uma embarcação de fibra de vidro, com 8 metros de comprimento e 2,49 de largura, que tem um calado de 1,5 metros, desloca 1450 kg de peso e é construído pelo Estaleiro J. Composite, estando disseminado por cerca de 15 países, onde se encontram 1200 proprietários de embarcações inscritos na Associação Internacional da Classe J80.
A representação açoriana no “J80 Worlds 2018” contou com o apoio do Governo dos Açores para a sua presença nesta importante competição desportiva internacional, sendo também relevantes os patrocínios prestados a este projecto pela Câmara Municipal da Horta, pelo Clube Naval da Horta, pela Municipalidade e pela Agglomération de Les Sables d’Olonne, bem como pela Associação Les Sables d’Olonne Vendée Course au Large e pela Portos dos Açores, S.A., além de diversas empresas locais e regionais, como a Mutualista Açoreana, a LactAçores, a Aerohorta, o Hotel Horta e o Espaço X.
O Campeonato do Mundo de Vela da Classe J80 foi, este ano, uma organização do Sports Nautiques Sablais e da Associação da Classe J80-France, sob a chancela oficial da Federação Francesa de Vela e decorreu pela quarta vez em terras gaulesas, depois ali também se ter realizado em 2002 (La Rochelle), em 2007 (La Trinité Sur Mer) e em 2013 (Marselha).