Energias renováveis nos Açores poderão atingir 60% do total produzido em 2025

As energias renováveis nos Açores poderão representar 60% do total de energia produzida na região dentro de cinco anos, prevendo-se que 38% desse valor provenha de fonte geotérmica, disse hoje a secretária regional de Energia, Ambiente e Turismo.

“Estima-se que a contribuição da produção renovável nos Açores para 2025 poderá aumentar significativamente, dos atuais 37%, para cerca de 60%, dos quais 38% serão garantidos através de fonte geotérmica”, declarou Marta Guerreiro.

A secretária regional falava no lançamento dos projetos de expansão do sistema de armazenamento de energia da central geotérmica do Pico Alto, Biscoitos, concelho da Praia da Vitória, na ilha Terceira.

A Terceira atingiu em 2019 cerca de 35% de energia limpa, sobretudo devido à utilização de energia eólica e da geotermia.

“Na ilha Terceira, com o contributo da energia hídrica, em 0,3%, da eólica, em 16%, da valorização energética de resíduos, em 6,1%, e da geotermia, em 12,5%, tivemos já cerca de 35% de energia limpa em 2019”, disse a secretária.

Marta Guerreiro frisou que o objetivo é o de “aumentar” o valor da energia limpa no arquipélago, pelo que irão ser criados três poços geotérmicos naquela central do Pico Alto, num investimento de 26 milhões de euros.

A secretária salientou que a Eletricidade dos Açores (EDA) irá fazer investimentos de modo a “promover a maximização do aproveitamento da energia renovável”, através da integração de sistemas de armazenamento, que no caso da ilha Terceira contempla um investimento de cerca de 14 milhões de euros.

“Daremos, por esta via, cumprimento a um desígnio que não descuramos na região: uma energia limpa, fiável, competitiva e para todos os açorianos”, afirmou.

Na cerimónia, o presidente do conselho de administração da EDA, Duarte Ponte, referiu que o concurso internacional para a realização de nove poços geotérmicos – três em São Miguel e três na ilha Terceira – foi ganho pela empresa islandesa Iceland Drilling, numa empreitada no valor global de 31 milhões euros.

O concurso para a construção de um sistema de armazenagem e controlo de energia da rede, a implementar na Terceira, foi ganho pelo consórcio Siemens/Fluence Energy, tendo o prazo de 419 dias, estando orçado em 14 milhões de euros.

“Se tudo correr como o esperado, tanto em São Miguel como na Terceira, estas duas ilhas poderão atingir percentagens de renováveis na rede da ordem dos 67/68% em 2025%”, disse Duarte Ponte.

O Governo dos Açores, liderado pelo socialista Vasco Cordeiro, termina hoje uma visita de trabalho de dois dias à ilha Terceira.