Pub

A Associação Comercial e Industrial de Santa Maria (ACIISMA) considerou hoje “preocupante” a falta de lugares disponíveis nos voos da SATA Air Açores que servem a ilha este verão, apesar do anúncio de mais ligações.

Na sequência de um encontro com o Grupo Parlamentar do PSD Açores, no âmbito das jornadas parlamentares na ilha de Santa Maria, a ACIISMA refere que “apesar de ter sido anunciado o incremento de mais voos, num total de quatro escalas diárias, efetivamente ainda só três estão a acontecer”, sendo que “chegar ou sair de Santa Maria faz-se com enorme dificuldade”.

“A ACIISMA já havia feito chegar esta preocupação à tutela, na pessoa da secretária regional dos Transportes, alertando para o fato de Santa Maria estar a ter muita procura nesta época, também por via da excelente medida da Tarifa Açores”, afirma a associação, em comunicado.

Para os empresários de Santa Maria, a solução “passará pelo aumento de lugares nos voos SATA Air Açores (companhia aérea açoriana) de forma atempada, devendo estes ser disponibilizados em voos programados e anunciados, desde que são conhecidos os horários de verão e não em voos extraordinários”.

“Quem nos quer visitar não pode programar a sua viagem ficando em lista de espera durante meses, na expectativa de que a regra da procura/oferta justifique voos extraordinários, muitas vezes a poucos dias da viagem”, frisa a ACIISMA.

A associação sugeriu ainda a contratação de mais aeronaves em regime ACMI (aluguer de aviões e tripulações), “à semelhança do que já aconteceu com a Azores Airlines, para satisfazer semelhante lacuna”.

A associação considera também que a extinção da linha Amarela de transporte marítimo de passageiros “penaliza em muito a ilha de Santa Maria, sendo as ilhas do grupo oriental as únicas a não terem este tipo de transporte nos Açores”.

“Dados de 2019 revelam que a linha amarela de transporte marítimo de passageiros, a operar entre São Miguel e Santa Maria e nos meses compreendidos entre maio e setembro, transportou cerca de 10.500 passageiros”, refere-se.

Segundo a associação comercial, “numa ilha com 5.400 habitantes e com um pequeno tecido empresarial, esta afluência de visitantes é um balão de oxigénio para a manutenção e dinamização do comércio local, daí a sua extinção penalizar em muito a ilha de Santa Maria”.

De acordo com a ACIISMA, e “tendo a noção de o anterior modelo de transporte marítimo de passageiros não ser o financeiramente mais sustentável”, reforça-se “a necessidade de que sejam desenvolvidos estudos para que se encontre um novo modelo de transporte”.

Santa Maria, diz a associação, “não poderá ser mais uma vez penalizada sem a retoma desta linha para o verão de 2023, ainda que num modelo eficaz e rentabilizado”.

Pub