“Pela sua competência, pelas suas qualificações, mas também pela sua sensibilidade política e pelo conhecimento que tem, desde logo, do território de um país como Portugal, com as suas regiões ultraperiféricas dos Açores e da Madeira, a assunção desta área em concreto traz-me a fundada esperança de que a Coesão, um dos grandes desígnios do projeto europeu, possa ganhar uma relevância acrescida, uma capacidade de concretização mais determinada e uma relevância política mais consistente”, diz o chefe do executivo açoriano em nota enviada à imprensa pelo seu gabinete.

Para Vasco Cordeiro, “está de parabéns o projeto europeu por ter uma pessoa com as qualidades, competência e determinação” de Elisa Ferreira “aos comandos de uma área fundamental – e algo maltratada nos últimos anos -, como é a Coesão, e está de parabéns o Governo português pela forma como conduziu este processo”, trazendo para Portugal “uma pasta de extrema relevância com uma personalidade que, pelo seu trabalho” dignificará a União Europeia e prestigiará o país.

Elisa Ferreira, a primeira mulher designada para Portugal para o colégio da Comissão Europeia, terá a seu cargo a pasta da Coesão e Reformas no executivo liderado por Ursula von der Leyen, um pelouro também inédito, foi hoje revelado.

Desde a adesão às comunidades europeias, em 1986, Portugal já teve a presidência do executivo, durante 10 anos (Durão Barroso, de 2004 a 2014), e as mais diversas pastas entre os quatro anteriores comissários (António Cardoso e Cunha, João de Deus Pinheiro, António Vitorino e Carlos Moedas), sendo no entanto a primeira vez que tem uma comissária responsável pela política de coesão e reformas estruturais.

A nova Comissão Europeia deverá entrar em funções em 01 de novembro próximo, depois do necessário aval do Parlamento Europeu ao colégio de comissários, na sequência de audições que terão lugar no início de outubro.