PUB

A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou, esta quarta-feira, uma recomendação no sentido de alargar a gratuitidade do transporte coletivo de passageiros aos estudantes deslocados na cidade, uma matéria para a qual o deputado eleito pelo Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República, Francisco César, sensibilizou os deputados municipais socialistas.

“Os estudantes deslocados das Regiões Autónomas, nomeadamente dos Açores, não estavam abrangidos pelo passe metropolitano que isenta estes jovens dos respetivos pagamentos e, nesse sentido, abordei os deputados municipais do PS, para que fosse apresentado um conjunto de medidas que visasse solucionar o problema”, considerou o parlamentar.

Assim, e da reunião entre Francisco César e o Vereador socialista à autarquia, Pedro Anastácio, foi apresentada uma proposta que implicava “realizar um estudo para a atribuição gratuita do passe metropolitano aos estudantes residentes em Lisboa que estudam na Área Metropolitana, bem como do passe municipal aos estudantes deslocados, matriculados no ensino superior no concelho”, tendo sido a proposta aprovada em reunião da Câmara Municipal.

PUB

Posteriormente, e conforme recorda o vice-presidente do GPPS, sob proposta conjunta do Partido Socialista e de outros grupos parlamentares e deputados independentes, foi também apresentada uma recomendação ao município para contemplar todos os estudantes deslocados em Lisboa, no âmbito do passe metropolitano, tendo sido aprovada, por maioria, esta quarta-feira.

Tendo sido aprovada, a medida que prevê alargar a gratuitidade do transporte coletivo de passageiros aos estudantes deslocados na cidade, a mesma é dirigida “aos jovens até aos 18 anos ou aos estudantes universitários até aos 23 anos de idade, desde que possuam domicílio fiscal na cidade”.

A este propósito, e conforme reforçou o deputado Francisco César, “esta é uma medida que abrange, também, os estudantes deslocados Açorianos e que permite, num contexto particularmente difícil, ajudar a suportar um conjunto de despesas essenciais à formação de um estudante Açoriano que se qualifica fora da Região”.

Pub