Pub

O número de dormidas em alojamentos turísticos nos Açores, em maio, superou os valores do mesmo mês em 2019, período anterior à pandemia de covid-19, segundo dados divulgados hoje pelo Serviço Regional de Estatística (SREA).

“No mês de maio, no conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico registaram-se 279,3 mil dormidas, representando um acréscimo de 175,8% relativamente a maio de 2021”, avançou o SREA, numa publicação divulgada na sua página da Internet.

Em comparação com os dados divulgados pelo SREA relativos a maio de 2019, em que se contabilizaram 265,7 mil dormidas, houve um crescimento de 5% no número de dormidas (mais 13.547).

Já no período entre janeiro e maio, o número de dormidas duplicou face ao período homólogo, mas continuou abaixo dos valores registados em igual período em 2019.

“De janeiro a maio, no conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico (hotéis, hotéis-apartamentos, apartamentos turísticos, pousadas, unidades de turismo no espaço rural e unidades do alojamento local) da Região Autónoma dos Açores registaram-se 865,7 mil dormidas, valor superior em 193,8% ao registado em igual período de 2021”, adiantou o SREA.

O crescimento foi inferior ao registado no país, que apresentou “uma variação homóloga positiva de 355,2%”.

Em comparação com os dados de janeiro a maio de 2019, em que se registaram cerca de 878,1 mil dormidas em alojamentos turísticos nos Açores, houve um decréscimo de 1,4%, ainda assim inferior à diferença de 4,6%, verificada até abril.

Em maio, o número de dormidas de residentes no estrangeiro (159.203) cresceu 557,1% (cerca de seis vezes mais), superando as dormidas de residentes em Portugal (120.075), que ainda assim também aumentaram 55,9%, face ao período homólogo.

No período entre janeiro e maio, os residentes nacionais continuaram a liderar as dormidas turísticas nos Açores, com 466,9 mil dormidas (mais 101,9%), ainda que os residentes no estrangeiro tenham registado um crescimento mais acentuado (528,7%), totalizando 398,8 mil dormidas.

Quanto ao número de hóspedes (285,9 mil), cresceu 176,9%, nos primeiros cinco meses do ano.

A hotelaria tradicional é a tipologia que concentra mais dormidas nos Açores, entre janeiro e maio, com 571,2 mil (66%), e a que registou um maior crescimento, face a 2021 (227,1%).

As unidades de alojamento local registaram 277,1 mil dormidas (mais 146,6%) e as unidades de turismo em espaço rural 17,3 mil dormidas (mais 127,4%).

Os hotéis registaram também o maior crescimento de turistas residentes no estrangeiro (820,3%), que contabilizaram 225,3 mil dormidas, ainda assim, menos do que os residentes em Portugal (345,9 mil), que aumentaram 130,3%.

Nas outras duas tipologias de alojamento turístico, o cenário é inverso, com as dormidas de residentes no estrangeiro a superarem as de residentes nacionais.

O turismo em espaço rural registou mesmo uma descida de dormidas de residentes nacionais (menos 24,7%), que totalizaram cerca de quatro mil, quando as dormidas de residentes no estrangeiro ultrapassaram as 13 mil e cresceram cerca de 497%.

Já no alojamento local, as dormidas de residentes no estrangeiro (160,2 mil) cresceram 336,2%, enquanto as dormidas de residentes em Portugal (116,9 mil) aumentaram 54,6%.

Na hotelaria tradicional, “todas as ilhas apresentaram variações homólogas positivas”, entre janeiro e maio, com as maiores subidas a registarem-se em São Miguel (267,3%), Terceira (218,1%) e Santa Maria (214,6%).

Já no alojamento local, Santa Maria (menos 22,9%) e Corvo (menos 28,8%) diminuíram o número de dormidas, tendo as maiores subidas sido registadas em São Miguel (182,6%), Pico (141,1%) e Terceira (93%).

O relatório do SREA não apresenta números por ilha, relativos ao turismo em espaço rural.

Pub