Rui Cordeiro, Presidente do Clube Desportivo o Santa Clara
Pub

A direção do Santa Clara, da I Liga de futebol, pediu, esta quinta-feira, aos adeptos para manterem a “tranquilidade” e a “confiança” no projeto liderado pelo presidente Rui Cordeiro, face às investigações que decorreram nas instalações do clube.

“Aos sócios e simpatizantes do Santa Clara apelamos para que mantenham a tranquilidade e, sobretudo, a confiança no projeto que começámos há cinco anos e que irá continuar a levar o Santa Clara e os Açores ao lugar que sempre mereceram: a I Liga de futebol”, lê-se num comunicado enviado pela direção da formação açoriana.

O comunicado apresenta as conclusões da reunião de direção realizada na quarta-feira, em que os dirigentes decidiriam “manifestar total solidariedade com o presidente” Rui Cordeiro e com o diretor desportivo Diogo Boa Alma, que “viram, nos últimos dias, a sua vida privada e profissional devassada nos órgãos de comunicação social”.

A direção decidiu ainda mandatar o departamento jurídico do clube a instruir um procedimento cível e criminal e um procedimento disciplinar contra os sócios e acionistas da SAD João Pacheco de Melo e Manuel Branco.

Segundo a direção, aqueles dois sócios têm realizado “campanhas insidiosas e tentativas de assassinatos de caráter em praça pública”, procurando “enxovalhar, humilhar e denegrir a imagem de vários membros dos órgãos sociais”.

Na terça-feira, o presidente do Santa Clara, Rui Cordeiro, disse que a investigação promovida às instalações da SAD se deve a “jogos de bastidores”, devido à proximidade do ato eleitoral para a presidência do clube.

Segundo o dirigente, as buscas tiveram por base o “putativo favorecimento ao Benfica através da compra do atleta Hamdu” para “obter ganhos desportivos nos jogos entre as duas equipas”.

Rui Cordeiro afirmou que a investigação foi desencadeada por uma “denúncia criminal” da “autoria do senhor João Pacheco de Melo”, acionista da SAD dos açorianos, que já veio desmentir o presidente do clube açoriano.

“Tenho feito picos de denúncias dele [Rui Cordeiro] nos jornais e nas assembleias-gerais. Tenho feito em documentos escritos diretamente a ele e aos outros órgãos sociais do Santa Clara. Eu? Denúncias anónimas ainda por cima? Que necessidade tinha de fazer isso?”, disse João Pacheco de Melo em declarações à RTP Açores e à Antena 1 Açores.

João Pacheco de Melo acusou Rui Cordeiro de mentir e frisou que não pretende chegar à presidência do clube por “não ter perfil” para o cargo.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou, na segunda-feira, a realização de 29 buscas: “oito domiciliárias; uma, a uma fundação; seis, a instalações de três sociedades desportivas; nove, a outros tipos de sociedade; três, a dois clubes desportivos; e duas, a dois escritórios de advogados”.

As buscas, de acordo com o mesmo documento, decorreram “em vários locais do país e contaram com a participação de magistrados do Ministério Público e dos tribunais de Instrução Criminal, inclusive, o Central e elementos da Polícia Judiciária e da Autoridade Tributária”.

A revista Sábado já tinha noticiado que duas das SAD investigadas seriam as de Benfica e Santa Clara, estando em causa dois processos, um sobre a transferência de jogadores líbios e outro relacionado com o caso Mala Ciao.

Pub