Pub

A Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) revelou hoje que despachou favoravelmente a acreditação da Escola do Mar dos Açores (EMA) como entidade formadora de atividade marítima.

“Esta atribuição reconhece à EMA a autonomia para ministrar formação profissional certificada de âmbito nacional e internacional, vocacionada para a (re)qualificação, reconversão, aperfeiçoamento e progressão de carreiras marítimas”, avançou a DGRM, em comunicado de imprensa.

Segundo a direção-geral, vai decorrer agora “o processo de celebração e assinatura do acordo de cooperação” entre as duas entidades, relativo à formação de marítimos, “aguardando-se a breve trecho a sua conclusão para que a referida entidade formadora possa estar certificada de pleno direito”.

“A acreditação da EMA representa mais um passo para a promoção de atividades de qualificação e valorização dos profissionais do setor marítimo, portuário e das pescas”, sublinhou a DGRM.

Situada nas antigas instalações da Rádio Naval da Horta, na ilha do Faial, a Escola do Mar dos Açores custou cerca de sete milhões de euros e foi inaugurada há dois anos.

O presidente do Governo Regional dos Açores (PSD/CDS-PP/PPM), José Manuel Bolieiro, tinha já anunciado a certificação da EMA, em 11 de setembro.

“Finalmente a Escola do Mar está devidamente certificada e pretende ser um auxiliar na formação, na preparação dos nossos pescadores e das nossas comunidades”, adiantou o presidente do executivo açoriano, numa cerimónia de homenagem a pescadores na vila de Rabo de Peixe, na ilha de São Miguel.

A DGRM tem como missão “o desenvolvimento da segurança e dos serviços marítimos, incluindo o setor marítimo-portuário, a execução das políticas de pesca, da aquicultura, da indústria transformadora e atividades conexas, a preservação e conhecimento dos recursos marinhos, bem como garantir a regulamentação e o controlo das atividades desenvolvidas nestes âmbitos”.

Pub