Daniela Mercury a melhor atuação dos 30 anos do chicharro

“Melhor era impossível”, foi assim que Ruben Melo, Presidente da Associação Cultural e Desportiva Maré Viva, classificou o balanço da edição dos 30 anos do Chicharro.

“ Todos os anos é uma luta, especialmente nos 6 meses que antecedem o festival, só quem passa por isso é que sabe a percentagem de tempo que dedicamos da nossa vida ao evento.

Mas a verdade é que depois de constatar o que se passou nesta edição deixa-nos com o sabor de missão, totalmente, cumprida. A nível geral foi a melhor edição de sempre da festa do chicharro.

As maiores enchentes: a melhor quinta-feira, a melhor sexta-feira e o melhor sábado. O sábado foi, sem dúvida, inesquecível. Esgotámos os bilhetes. Parecia um Rock in Rio”, explicou.

Para que tudo corresse da melhor forma, com a dimensão que um festival destes implica e nas características tão específicas que a freguesia possui, a logística teve de estar a trabalhar na perfeição.

“É muito importante ter a casa cheia mas é preciso, acima de tudo, ter a máquina oleada desde as Furnas até à Ribeira Quente: o estacionamento nas Furnas, a fluição dos autocarros, a desobstrução do troço até à Ribeira Quente, a ordem do estacionamento dentro da freguesia, a ligeireza na bilheteira e na entrada do recinto…tudo a funcionar perfeitamente.

Isto só foi possível com a colaboração de um conjunto de pessoas e entidades, das quais gostaria de destacar o grupo de jovens e colaboradores que me acompanha, que trabalha com muito carinho mas também muito rigor, e temos o privilégio de contar com o grande apoio logístico da nossa Câmara Municipal que nunca nos abandona, a PSP que trabalha muito para além daquilo que é a sua função, sempre numa relação incrível de proximidade, ao Chefe Moniz e à sua equipa o nosso muito obrigado, a própria empresa do Varela que faz o seu trabalho mas nos colaboradores nota-se o grande rigor para que tudo corra bem.

Por último, o mais importante agradecimento vai para os residentes e para todos os festivaleiros que nos visitaram, pela forma ordeira que entraram e saíram do recinto da festa. Esta é a nona edição que estes jovens da direção da Associação Maré Miva organizam e é impressionante a evolução que notamos, ao longo destes anos, no civismo das pessoas, no respeitar as regras.

Isto faz toda a diferença para que tudo o resto corra bem. As pessoas na sexta e no sábado chegaram muito cedo à Ribeira Quente, entraram muito cedo no recinto. Nos espetáculos de abertura já estava a casa bem composta e perceberam que só assim resulta.

Deixar 10 mil pessoas a entrar em cima da hora da Daniela Mercury era uma loucura…impossível”, explicou o Presidente da Maré Viva.

Daniela Mercury deixou extasiados os 10 mil festivaleiros que a foram ver, tendo feito um espetáculo cheio de cor, alegria, ritmo, uma performance de alto nível nunca antes vista no Chicharro.

“ Esta é uma opinião unânime. Recebi muitas mensagens a dizer era o melhor espetáculo que estavam a ver na vida. No Chicharro não tenho a mais pequena dúvida que foi o melhor espetáculo de sempre na história desta festa.

Daniela Mercury, por tudo aquilo que representa, uma das principais e mais respeitadas artistas no seu país e fora dele, com toda aquela humildade e alegria contagiante em cima daquele palco que, ao ver a recetividade do público, atuou uma hora a mais do que o previsto, totalizando quase três horas de espetáculo.

Enfim, a Daniela foi fora de série, o público foi fora de série, foi a simbiose perfeita. Foi uma noite mágica. Com todo o respeito que tenho por todos os artistas mas era impossível ter uma noite dos 30 anos melhor do que aquela que ela proporcionou. Não podia, por isso, estar mais satisfeito” concluiu, Ruben Melo.