Pub

AÇORES 9 TV EM DIRETO

  1. No decorrer da 1.ª Liga, entre cenas de big brother e jogos de qualidade técnico-táctica-estratégia elevada, premiamos o vencedor e tiram ilações os vencidos, destacamos regionalmente e pela positiva a época de Mário Silva e o seu staff, durante a sua passagem pelo Santa Clara. Com um futebol ofensivamente atrativo e defensivamente competente, permitindo atingir os seus objetivos colectivos e aumentar os seus ativos.
  2. Num nível profissional e muito competitivo, a 2.ª liga viu o retorno do Rio Ave à liga principal, depois de ter descido na época transacta, acompanhado pelo Casa Pia, histórico do futebol portugês, com um jejum de 83 anos, desta alta montra do futebol português. Faltando somente um lugar, que sairá do playoff entre o Desportivo Chaves e Moreirense. E falando em playoffs,  jogo emotivo foi entre União de Leiria e Alverca, colocando o Alverca na disputa com SP Covilhã, à última vaga de acesso, à subida ao segundo escalão.

  1. Ainda sem representante regional, a final da 3 Liga entre Oliveirense e Torrense, foi um hino ao futebol, com seu culminar no golo de Mateus e na imprevisibilidade do resultado até o último penalty, levando melhor o Torrense.  Relativamente à liga 3, esperamos que o percurso meritório e consistente do Fontinhas, permita algo, que à muito se pretende no espectro desportivo açoriano, a diminuição da décalage entre o Santa Clara e os restantes clubes dos Açores, ou seja, a presença de mais clubes açorianos, noutras divisões. Para isto contribuirá o Fontinhas com a sua subida, para além do sonho de representar um emblema açoriano no Jamor.
  2. No que diz respeito ao Campeonato de Portugal, tivemos uma  disputa renhida até ao o último jogo, onde o Praiense numa reta final esteve sempre no mote de cima, com uma ideia de jogo consolidada e uma motivação em crescendo. Já a luta pelo último lugar no acesso à manutenção, o 2.º lugar, teve dois intervenientes Rabo de Peixe e Operário, sendo que este primeiro, não cedeu nos momentos de pressão e a sua crença e perseverança foram determinantes para atingirem o objectivo pretendido (Rabo de Peixe que assim, consolida o 2.º ano nas competições nacionais) e o Operário, com um plantel, dos mais cobiçados da sua série, não consegui, atingir o 1.º objectivo a subida de divisão, nem o 2.º a manutenção, como tal, foi desportivamente um volte face às pretensões dos seus intervenientes e investidores.  Uma última palavra para o Ideal, segundo a informações vindas a público, com uma época muito treglitande, seja pelo fluxo contínuo de jogadores, seja pela estrutura inconstante. Estas duas equipas têm uma grande oportunidade, de já, na próxima época do campeonato dos Açores, demonstrar a injustiça desta descida, face ao seu historial e à dificuldade, de todas as equipas açorianas serem colocadas numa só série.
  3. Falando de descidas e do Campeonato dos Açores, tivemos a presença do Graciosa, Flamengos e Vasco da Gama, onde a experiência foi preponderante na luta pela permanência, confirmando-se pela fase final do Graciosa com 2 contratações (Mbala e Tony) que ainda deram esperança por essa permanência até ao fim, face à distância pontual com o São Roque (equipa que lutou pelo o último lugar da manutenção). No caso do Vitória do Pico, para além de existir a experiência, é sempre necessário o contexto favorável, que nem sempre foi propício, desde aos casos de Covid, até algumas situações de logística e poucas soluções do plantel. Numa competição final, a 2, pelo primeiro lugar e acesso ao campeonato portugal, as equipas terceirenses foram as mais competentes, Boavista da Ribeirinha e Angrense. E foi de competência ofensiva e defensiva, que o Angrense, embora sem o melhor início, foi dessa estabilidade e firmeza progressiva, que se destacou e tornou-se campeão do campeonato dos Açores. Se esta atitude se manter, terá um campeonato de Portugal acordo com as suas pretensões.
  4. Por discutir ainda estamos o apuramento de campeão, tudo indica que o FC Calheta, será o representante da Ilha de São Jorge e da Associação de Angra do Heroísmo, para a próxima época no Campeonato dos Açores 2022.23. Faltando o representante da Associação da Horta, que poderá ser o FC Madalena, caso aceitem o convite, visto que o CD Lajense não tem os pré-requisitos de uma certificação de 2 estrelas (tema que futuramente vamo-nos debruçar) ou outro clube da AFH. Caso não exista, terá a Associação com mais atleta, neste caso a AFPD, que definirá o seu representante.
  5. Também finaliza o Campeonato de São Miguel e que na sua última jornada, já está definido o Campeão, União Micaelense. Clube que após 4 anos (época 2018/2019) a trabalhar para esse fim, sendo que no ano anterior, não consegui esse feito, este ano com um plantel muito rico em qualidade individual, para esta divisão ou mesmo acima, consegui o objectivo a 3 jornadas do fim. Esta qualidade deverá ser mantida, pois o campeonato dos Açores da próxima época será mais desafiante e competitivo.
  6. Por fim, as competições juvenis e seniores, estão no seu terminus, em diferentes modalidades, mas contamos com a sua presença no próximo podcast, para essas observações.
Pub