Ao serviço de Manchester United (2003/04 a 2008/09), Real Madrid (2009/10 a 2017/18) e Juventus (desde 2018/19), o ‘capitão’ da seleção lusa, de 36 anos, esteve 16 vezes nos ‘oitavos’, que só falhou em 2005/06, culpa do Benfica.

Curiosamente, os ‘dragões’ foram o primeiro adversário de Ronaldo nos ‘oitavos’ e afastaram o jogador português, que no conjunto dos dois jogos (derrota por 2-1 no Dragão e empate 1- em Old Trafford), apenas esteve em campo 22 minutos.

Além da eliminação face ao FC Porto, que viria a sagrar-se campeão da Europa, o jogador português só caiu mais três vezes nos ‘últimos 16’, uma com o AC Milan, em 2004/05, e duas com o Lyon, em 2009/10 e 2019/20.

Na época passada, num confronto atípico, os gauleses venceram em casa por 1-0, em 26 de fevereiro de 2020, e perderam por 2-1 em Turim, quase meio ano depois, em 07 de agosto, sobrevivendo a um ‘bis’ do internacional português.

Com os dois golos aos gauleses, Ronaldo passou a somar 25 nos oitavos de final, apenas menos dois do que o melhor marcador nesta fase, o argentino Lionel Messi, do FC Barcelona, que contabiliza 27 golos, em 30 encontros.

O ‘bis’ ao Lyon acabou, no entanto, por nada valer, ao contrário da maior parte dos seus outros golos, já que Cristiano Ronaldo ultrapassou por 12 vezes os oitavos de final.

Pelo Manchester United, e depois de ser eliminado por FC Porto e AC Milan, ajudou a eliminar o Lille (2006/07), o Lyon (2007/08), ao qual marcou um golo, e o Inter de Milão (2008/09), numa eliminatória em que também marcou um tento.

A ‘avalancha’ de golos surgiu com a mudança para o Real Madrid, clube do qual se tornou, em apenas nove anos, o melhor marcador, à média de mais do que um por jogo: foram 451, em apenas 438 encontros, no que será o registo mais espantoso da sua carreira.

Pelos ‘merengues’, só caiu nos ‘oitavos’ na estreia, face ao Lyon, apesar de ter marcado um golo. Na época 2009/10, ficou em ‘branco’, mas qualificou-se.

Nas épocas seguintes, marcou três ao CSKA Moscovo (2011/12), dois ao Manchester United (2012/13), sete ao Schalke 04 (quatro em 2013/14 e três em 2014/15), dois à Roma (2015/16) e três ao Paris Saint-Germain (2017/18), depois de, para ‘desenjoar’, não ter faturado perante o Nápoles (2016/17).

A sua saga goleadora manteve-se na ‘Juve’, com três golos ao Atlético de Madrid, para virar em Turim (3-0) o 0-2 do Wanda, e dois ao Lyon, novamente em Itália, mas, desta vez, insuficientes para colocar o campeão transalpino nos ‘quartos’.

Em 2020/21, o adversário será, 17 anos depois, o FC Porto e Ronaldo parte para este embate com 25 golos em 32 jogos nos ‘oitavos’ e um total de 134 na Liga dos Campeões (desde 1992/93), em 174 embates, não contando as pré-eliminatórias.

O jogador luso é, destacado, o melhor marcador da competição, com mais 16 golos do que Lionel Messi (147 jogos), e esta a um passo de se tornar o jogador com mais presenças, uma vez que está somente a três do ex-guarda-redes portista Iker Casillas.

Para superar o seu ex-colega de equipa no Real Madrid, Ronaldo precisa de ultrapassar o FC Porto: se jogar os dois jogos dos oitavos de final e mais dois nos ‘quartos’, passa a encabeçar isolado as duas tabelas.

O encontro entre o FC Porto e a Juventus, de Cristiano Ronaldo, a contar para a primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões, realiza-se na quarta-feira, pelas 20:00, no Estádio do Dragão, no Porto.