Pub

AÇORES 9 TV EM DIRETO

O primeiro-ministro, António Costa, recordou hoje anteriores posições do novo líder da bancada social-democrata, Joaquim Miranda Sarmento, sobre salários da função pública e política fiscal e afirmou que o “passismo” está de regresso ao PSD.

Durante o debate sobre o estado da nação, na Assembleia da República, António Costa invocou “um quadro síntese das políticas defendidas por Miranda Sarmento num manual que publicou em 2019” no qual disse que o recém-eleito líder parlamentar do PSD defende “o congelamento dos salários” e também “das prestações sociais” e uma “redução do investimento nas autarquias e nas regiões para os valores de 2016”.

Segundo o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, em matéria fiscal, Miranda Sarmento propõe nesse manual a “aplicação da coleta mínima do IRC para as 302 mil empresas que não estão obrigadas ao pagamento de IRC”.

“E, por fim, eu diria que é mesmo daquelas medidas que traduz o profundo pensamento de solidariedade social do PPD liderado agora por Luís Montenegro e Miranda Sarmento, vale a pena ouvir: Criação de um IRS mínimo de 40 euros para os 2 milhões e meio de portugueses que estão isentos da coleta por estarem abaixo do mínimo de existência”, acrescentou.

“Este é o pensamento económico e fiscal do velho novo revelho PSD”, concluiu António Costa.

Numa interpelação à Mesa da Assembleia da República, Miranda Sarmento aconselhou o primeiro-ministro, “a bem da honestidade intelectual, a ler o livro todo e não a tabela que o seu assessor lhe passou”.

“Vou ler o muito promissor livro de vossa excelência, porque sendo tão rica a tabela imagino o que seja o conteúdo total do livro”, retorquiu António Costa.

O primeiro-ministro recorreu a este documento quando respondia ao líder parlamentar do PS, que dedicou a sua intervenção a criticar os sociais-democratas. Eurico Brilhante Dias recordou os “cortes em pensões e salários” feitos no período da ‘troika’ e defendeu que “o PSD não mudou de carril”.

Na resposta, António Costa reforçou a mensagem de Brilhante Dias, afirmando que o PSD agora presidido por Luís Montenegro “entrou em marcha a ré” e fez regressar “o passado” da governação Pedro Passos Coelho, “com Maria Luís Albuquerque e toda a constelação do passismo na nova liderança”.

Depois, o primeiro-ministro criticou diretamente Joaquim Miranda Sarmento, que hoje se estreou em plenário como líder parlamentar do PSD, apontando-o como “o elo de ligação entre aquilo que foi a liderança do doutor Rui Rio e aquilo que é o passismo puro e duro”.

Pub