“Corpo de Ilhas” de Lélia Nunes homenageia o ser açoriano

“Corpo de Ilhas”, de Lélia Pereira da Silva Nunes, e com edição da Letras Lavadas, reúne um conjunto de textos da escritora de Santa Catarina, Brasil, que versam áreas como a crítica literária, a antropologia e a sociologia, e apresenta-se como uma ponte de convergência entre os Açores e Santa Catarina.

Foi apresentado hoje, ao final da tarde, em Ponta Delgada, no âmbito da “II Festa do Livro dos Açores”.

Na ocasião, o Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada enalteceu o facto de a escritora “na globalização, afirmar a sua própria identidade e as suas raízes” e congratulou-se com todos aqueles que saindo da região têm a capacidade de manter e valorizar a sua identidade.

José Manuel Bolieiro destacou o trabalho de investigação desenvolvido pela escritora e socióloga sobre os “Açores, sobre a açorianidade, sobre o seu e nosso ser, isto é, sobre a nossa identidade”, que se reflete em “Corpo de Ilhas”.

“Lélia Nunes reflete e escreve, porque observou e investigou, sobre a cultura açoriana “territorializada” nas ilhas e portanto também em Santa Catarina, mas também a cultura radicada na alma da açorianidade e, portanto, também na literatura e nas tradições”, afirmou.

O edil acrescentou nunca ter visto “tanta paixão, tanto orgulho, tanta procura pela identidade originária como vi em Lélia Nunes e em todos os açorianos de Santa Catarina e da cidade irmã de Ponta Delgada, a cidade de Florianópolis”.

A apresentação em Ponta Delgada de “Corpo de Ilhas” ficou a cargo de Vamberto Freitas, que destacou a escrita de Lélia Nunes, “uma escrita que se dedica ao eu e à comunidade em que está inserida: Santa Catarina e Açores” e espelha a “heroicidade” dos emigrantes açorianos pelo mundo.

O professor, escritor e crítico literário classificou a prosa de Lélia Nunes de “muito criativa e muito rica” e enalteceu o facto de a mesma ser dirigida à comunidade. “A literatura e a sociedade são indissociáveis”, afirmou, acrescentando que “Corpo de Ilhas presta homenagem a esta riqueza – cultura açoriana – quase sem igual no mundo inteiro”.

A autora, na cerimónia desta tarde, agradeceu, entre outros, o apoio da Câmara Municipal de Ponta Delgada e da Letras Lavadas.

A “II Festa do Livro dos Açores”, “ato e atividade cultural de contacto, reconhecimento e envolvimento”, está a decorrer no Passeio Marítimo em frente às Portas da Cidade até ao dia 29 de julho, estando aberta entre as 17h00 e as 23h00.

A iniciativa da Câmara Municipal de Ponta Delgada e da Câmara do Comércio e Indústria dos Açores visa contribuir para a diversificação da oferta turística, incentivar hábitos de leitura, promover o livro, valorizar os autores açorianos e apoiar o mercado livreiro.

Para além da componente de exposição e de venda a preços especiais, terão lugar  lançamentos de livros, potenciando a relação entre autor, livro e leitor.

Assim, a 16 de julho, às 19h00, terá lugar o lançamento do livro “A Epopeia da Retórica e a Voz do Palco na Obra de Antifone de Atenas”, de Anna Silva, e, no dia seguinte, também às 19h00, Sebastião Carlos da Costa Brandão e Albuquerque lança “Narrativas Insulanas”.

A 19 de julho, às 19h00, é lançado o livro “O Papel da Justiça do Menor na União Europeia”, de Rita Figueiredo Reis Rola, com apresentação de José Manuel Bolieiro.

No sexta, às 19h00, é lançada a reedição de “O Explorador Micaelense Roberto Ivens”, de Manuel Ferreira, com apresentação de José Ferreira Almeida, e no sábado, às 19h00, o destaque vai para “Para além das Nuvens – Aves dos Açores”, de Carlos Ribeiro, e com apresentação de José António Rodrigues.

Na terça-feira, é lançado “A Descendência do 1.º Visconde do Botelho”, de António Ornelas Mendes, com apresentação de José Reis Leite, e na quarta é lançado “Sorriso por Dentro da Noite”, de Adelaide Freitas, com apresentação de Álamo Oliveira. Ambos os lançamentos têm lugar às 19h00.

Na quinta-feira, 26 de julho, às 19h00, tem lugar o lançamento do livro “a Revolução Liberal de 1821 nos Açores”, de Luís Linhares, com apresentação de Carlos Melo Bento.

Por fim, no sábado, às 11h00, é apresentado o “Roteiro de Ponta Delgada”, de José de Almeida Mello, com apresentação de Luís Daniel, no lado norte da Igreja Matriz.