Comemorações do 190.º Aniversário da Batalha de 11 de agosto de 1829 na Praia da Vitória

A 11 de agosto de 1829, num dia de nevoeiro, forças leais a Miguel I intentaram desembarcar na então Vila da Praia, na Ilha Terceira. A sua eventual derrota, ao final do dia, pavimentou o caminho para a vitória das ideias liberais em Portugal.

Passados 190 anos, no concelho da Praia da Vitória, esta data, que também é feriado municipal, foi assinalada com pompa e circunstância, com uma cerimónia na qual se celebrou o triunfo das forças liberais sobre as forças miguelistas, constituindo essa vitória “a alavanca do triunfo da liberdade em Portugal”.

Palavras de Avelino Meneses, Secretário Regional da Educação e Cultura, que presidiu às cerimónias de homenagem a antigos combatentes na Guerra do Ultramar, em representação do Presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro.

Esse “triunfo da liberdade” traduziu-se, depois e em termos políticos, no “esboço e na prática” da Democracia, que determina o Governo da maioria “no respeito pela minoria, na criação e desenvolvimento do Estado de Direito que protege os homens dos abusos do poder”, frisou o titular da pasta da Educação e Cultura.

Na realidade, contextualizou, Angra, capital histórica dos Açores, foi distinguida com o título “do Heroísmo” em 1837 e a Praia com o título “da Vitória”, precisamente devido a esta vitória de 11 de agosto de 1829, “que transformou os Açores, particularmente a Ilha Terceira, na capital da liberdade em Portugal”.

Ainda no âmbito das comemorações do feriado municipal foi realizada a tradicional Procissão dos Marítimos, cerimónia de cariz religioso e popular que vê imagens de São Pedro Gonçalves, Santa Bárbara e Nossa Senhora da Boa Viagem seguirem em traineiras, em cortejo, no mar.