Colaboração entre a EDA e a SPEA pretende reduzir impacto das linhas elétricas nas aves

Foi retomada em 2019 a colaboração entre a EDA – Electricidade dos Açores, S.A. e a SPEA (Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves), com o objetivo de aferir e minimizar o impacto das linhas elétricas na avifauna. Este estudo teve início na ilha Terceira, onde estão a ser aplicadas correções às linhas identificadas como mais perigosas, e é agora alargado a algumas linhas da ilha de São Miguel.

A interação entre as aves e as infraestruturas humanas é amplamente conhecida e estudada há mais de 30 anos. Estas interações podem ser positivas, presença de locais adequados para nidificação, locais de poiso, etc., mas também negativas, podendo causar ferimentos e morte das aves.

No caso das linhas elétricas, estas interações negativas também são bem conhecidas, tendo sido identificadas como uma das principais causas de mortalidade de avifauna. Classificam-se em dois tipos principais: colisão e eletrocussão. A colisão acontece quando as aves em voo não conseguem ver os fios das linhas elétricas e acabam por colidir com eles, o que causa ferimentos ou a morte. A eletrocussão acontece quando as aves tocam em dois pontos com tensão elétrica, criando um arco que pode atravessar a ave causando ferimentos potencialmente mortais.

Geralmente, a colisão afeta todo o tipo de aves, enquanto a eletrocussão afeta principalmente a aves de grande porte que pousam nos postes. Porém, no caso dos Açores, ainda se verifica um fenómeno não reportado até ao momento: a concentração de uma grande quantidade de aves de menor porte nas linhas, nomeadamente pombo-torcaz, que com a aproximação das linhas origina a criação de um arco elétrico que pode provocar a eletrocussão das aves e a saída de serviço da própria linha.

O impacto das linhas elétricas na avifauna dos Açores já havia sido monitorizado em 2012, numa parceria entre a EDA e a SPEA, tendo-se identificado postes e troços de linha mais críticos, que foram alterados com vista a reduzir esse impacto.
Em 2019, este programa de monitorização foi retomado, na lógica de reduzir o impacto das linhas elétricas na avifauna e de melhorar a qualidade do serviço prestado pela EDA com a redução do número de ocorrências nas linhas com implicação no fornecimento de eletricidade.

Entre 2019 e 2021 o estudo foi focado na ilha Terceira, tendo sido identificados troços de linha que serão alterados até 2023. As soluções aplicadas serão também monitorizadas para verificar a sua eficácia. Em 2022 e 2023 serão monitorizadas algumas linhas elétricas na ilha de São Miguel de modo a identificar eventuais necessidades de intervenção nas mesmas.

Esta parceria entre a EDA e a SPEA, que abrange agora mais uma ilha do arquipélago, reflete o compromisso da EDA em melhorar a qualidade de fornecimento de eletricidade aos açorianos e a sua preocupação em reduzir o impacto das infraestruturas elétricas na avifauna dos Açores.

Pub