CDU admite “não ter conseguido objetivos” para Ponta Delgada

O candidato da CDU à presidência da Câmara de Ponta Delgada, nos Açores, afirmou hoje que o partido "não conseguiu os seus objetivos" no concelho nas autárquicas de domingo, ficando sem eleger um representante para a assembleia municipal.

“A CDU não conseguiu os seus objetivos. O primeiro objetivo seria crescer eleitoralmente e que esse crescimento resultasse em eleitos, nomeadamente para a assembleia municipal”, afirmou Rui Teixeira, em declarações à agência Lusa.

Com o resultado do partido no concelho de Ponta Delgada, Rui Teixeira disse que a CDU “não terá as condições que gostaria para colocar algumas questões decisivas para Ponta Delgada”, em concreto, “a habitação, a questão dos salários e das condições de vida” dos munícipes daquele concelho da ilha de São Miguel.

“Mas isto não nos vai inibir de trabalhar pelos transportes públicos, pela habitação, pelo emprego e por melhores condições, por uma economia e uma sociedade mais saudáveis”, assegurou.

Lamentando que “essa voz” da CDU vá “ficar arredada da assembleia municipal”, Rui Teixeira antecipou que, nos próximos quatro anos, ficarão, assim, “um conjunto de questões por levantar”.

“Houve aqui algum efeito de divisão dos votos apenas ente PSD e PS, o que é habitual em Ponta Delgada, Entre os dois as diferenças são muito poucos e são muito maiores as semelhanças. Nós teremos falhado em passar esta mensagem”, considerou Rui Teixeira.

A CDU não tem representação em qualquer órgão autárquico em Ponta Delgada “desde 2005”, segundo indicou.

O PSD conquistou no domingo a maioria na Câmara de Ponta Delgada, a maior autarquia dos Açores, que o partido lidera há 28 anos, com a eleição do deputado regional Pedro Nascimento Cabral para presidente do município.

A candidatura do PSD obteve 48,68% e cinco mandatos na Câmara, segundo os dados finais disponibilizados no ‘site’ do Ministério da Administração Interna (MAI).

O segundo partido mais votado foi o PS e a candidatura encabeçada por André Viveiros, com 37,33% dos votos e quatro mandatos, tendo o BE ficado em terceiro lugar, com 2,78% dos votos.

Na Assembleia Municipal (AM) de Ponta Delgada, a novidade é a Iniciativa Liberal, que conseguiu eleger um deputado municipal pela primeira vez – obteve 3,32% dos votos.

O BE, com 3,29% dos votos para a AM, voltou a conquistar um mandato naquele órgão autárquico.

Ainda para a AM, o PSD obteve 46,07% dos votos, conquistando 14 mandatos, os mesmos do que nas autárquicas de 2017, de acordo com os dados do MAI.

Na AM de Ponta Delgada, o PS alcançou 37,19% dos votos e 11 mandatos, menos um do que em 2017.

Sete forças políticas – PS, BE, PSD, IL, CDU, PAN e Chega – apresentaram candidaturas à presidência da Câmara Municipal de Ponta Delgada nestas autárquicas.

Pub