Câmara Municipal assina protocolo com Orquestra Ligeira de Ponta Delgada

Dar continuidade ao trabalho de divulgação e sensibilização musical, na cidade e nas diferentes freguesias do concelho, é o principal objetivo do Protocolo de Cooperação e Dinamização Cultural assinado esta manhã entre a Câmara Municipal e a Orquestra Ligeira de Ponta Delgada.

Na ocasião, o Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada reiterou a aposta do Município na descentralização cultural pelas 24 freguesias do concelho, concorrendo para a realização do indivíduo e para a dignificação da comunidade municipal.

José Manuel Bolieiro congratulou-se com o trabalho desenvolvido pela Orquestra Ligeira de Ponta Delgada, fundada em 2001, nomeadamente no que respeita à formação.

O edil destacou, a título de exemplo, a cooperação da Orquestra Ligeira de Ponta Delgada e a Associação Cultural Mártir Santa Bárbara para a concretização do projeto da Banda Juvenil de Santa Bárbara, a única do género dos Açores, e que tem permitido, com o apoio da Câmara Municipal, que mais de três dezenas de jovens, com idades compreendidas entre os 7 e os 20 anos, tenham acesso a formação musical.

No âmbito do protocolo assinado esta manhã, orçado em 19 mil euros e respeitante ao ano de 2018, a Orquestra Ligeira de Ponta Delgada, dirigida pelo maestro Marco Torre, compromete-se a apresentar onze concertos em iniciativas da autarquia.

Já se apresentou em Santa Bárbara, sendo que estão calendarizadas atuações nas Capelas (2 de agosto), Praça Gonçalo Velho Cabral (5 de agosto), Mosteiros (10 de agosto), São Vicente Ferreira (30 de agosto), Covoada (31 de agosto), Candelária (13 de setembro), Fenais da Luz (20 de setembro) e Ginetes (21 de setembro).

Para além do apoio financeiro, a autarquia prestará apoio logístico para os concertos, assume o encargo de aquisição dos instrumentos e do fardamento e disponibiliza a sala de ensaios.

Composta por vinte elementos, a Orquestra Ligeira de Ponta Delgada destaca-se pela qualidade, pela constante inovação e por apresentar um repertório vasto, que vai desde a música moderna e portuguesa ao swing.