Câmara Municipal apresenta livro José Enes “Obra Poética”

A Câmara Municipal de Ponta Delgada, em parceria com a editora “Letras Lavadas”, vai promover o livro “José Enes – Obra Poética”, incluindo “Montanha do Meu Destino” (poemas inéditos) e “Água do Céu e do Mar” (reedição), a 22 deste mês, às 21h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

A sessão encerra as comemorações do Dia Mundial da Poesia, que se verifica no dia anterior e visa homenagear o antigo e primeiro Reitor da Universidade dos Açores, José Enes.

José Enes Pereira Cardoso (1924-2013) notabilizou-se, sobretudo, na área da filosofia e do ensino, tendo publicado, em meio século de vida literária, sete títulos. Todavia, o mais importante deles, na opinião do escritor Miguel Real, autor da sua biografia, é “À Porta do Ser”, publicado em 1969.

Na cerimónia, intervirão o atual Reitor da academia açoriana, João Luís Gaspar, Maria Fernanda Enes (viúva de José Enes) e Miguel Real, que apresentará a obra, uma edição da “Letras Lavadas”.

José Enes nasceu nas Lajes do Pico, em 1924. Teve uma formação escolástica na Universidade Gregoriana de Roma, que frequentou em dois períodos distintos (1945-50 e 1964-66).

O primeiro Reitor da Universidade dos Açores iniciou a atividade docente, ainda nos anos 1950, no Seminário Episcopal de Angra do Heroísmo. Nos anos de 1960 decidiu trocar os Açores por Lisboa.

Depois de largos anos dedicados ao doutoramento, entre Roma, o Canadá e os Estados Unidos da América, período que levou à publicação de “À Porta do Ser”, José Enes regressou ao ensino, desta feita na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa (1968-73).

Entretanto, em 1976, regressou à sua terra natal, acabando por se tornar num dos fundadores do Instituto Universitário dos Açores e, seguidamente, no primeiro Reitor da Universidade dos Açores.

De acordo com a biografia escrita por Miguel Real (autor do livro “José Enes, Poesia, Açores e Filosofia”, editado em 2009), o professor e filósofo ensinou também na Universidade Aberta em Lisboa, onde se jubilou em 1994.

Além da atividade docente, José Enes, homem de fé, dedicou-se à poesia (“Água do Céu e do Mar”, 1960) e ao ensaio e crítica literária “A Autonomia da Arte”, de 1965).

Contudo, os títulos mais relevantes da sua produção literária tiveram sempre por base o universo da filosofia, com destaque para “Linguagem e Ser” (1983) e “Noeticidade e Ontologia” (1999).

Por seu lado, Miguel Real, pseudónimo literário de Luís Martins, é um nome maior da cultura portuguesa, destacando-se, em particular, no ensaio e na ficção.

De formação académica filosófica e literária tem-se debruçado sobre autores de grande relevo no nosso universo literário e filosófico, apreendendo o que de mais nuclear caracteriza a cultura portuguesa e a sua inserção no mundo.

Numa integração inteligente e amadurecida dos seus traços, envoltos numa visão específica, transfere-os para a ficção em cujo domínio as obras atingem um amplo público.

Com um pensamento próprio e historicamente fundamentado, Miguel Real tem sido um dos mais notáveis cultores e divulgadores de Portugal e da sua Cultura. Trata-se de um autor premiado entre 1979 e 2013.