PUB

A Càmara Municipal de Ponta Delgada “mais do que triplicou o investimento” feito na formação e valorização dos colaboradores do município no ano de 2022, anunciou, esta segunda-feira, a Vereadora Cristina Canto Tavares.

“É com particular satisfação que comunico que a autarquia investiu, em 2022, mais de 57 mil euros em 146 ações formativas, que se traduziram num total de 952 participações e 7434 horas de formação, por forma a beneficiar e valorizar os nossos ativos humanos”, indicou a autarca.

Cristina Canto Tavares falava na sessão de abertura de Seminário Internacional “Profissões sem teletrabalho mais vulneráveis ao desemprego: o papel das organizações de trabalhadores na inversão do mercado de trabalho, após a crise COVID 19”, que decorre até ao próximo dia 25 de janeiro numa unidade hoteleira de Ponta Delgada, por iniciativa do FIDESTRA e do EZA.

PUB

“Significa isto que, por ordem de comparação ao ano anterior – como sabemos, ainda assolado pelo surto pandémico, fundamentalmente, no primeiro terço do ano –, o município mais do que triplicou o seu investimento em matéria de formação profissional dos seus colaboradores diretos”, esclareceu a Vereadora, detalhando que, em 2021, o município aplicou uma verba total de cerca de 17 mil euros, de que resultaram 25 ações de formação, 99 participações e 600 horas de formação.

Na ocasião, Cristina Canto Tavares realçou ainda que, em 2022, e “no âmbito da implementação daquele que é o seu Plano Municipal para a Igualdade e a Não Discriminação”, a autarquia destinou também “3860 euros para ações de formação que somaram 150 participações e permitiram abranger as várias carreiras da Câmara Municipal de Ponta Delgada”.

A Vereadora aproveitou também o momento para explicar que a política de formação e valorização dos ativos da autarquia deriva de uma “lógica sistémica” e de “uma estratégia maior” que se concretiza a partir da reestruturação da orgânica da Câmara.

“Estamos a alterar e a reestruturar a atual orgânica dos serviços municipais com dois objetivos específicos: valorizar e investir na especialização das competências dos seus colaboradores e promover uma relação mais eficiente e estreita com os munícipes e empresas”, aprofundou.

“Trata-se de uma medida necessária e justa. Tem já dez anos que o modelo dos serviços da autarquia não é sujeito a alterações, havendo, por isso, que apostar numa orgânica verdadeiramente operacional que garanta a evolução nas carreiras do capital humano da Câmara Municipal e, através de uma lógica de valorização e formação contínua, assegure a melhoria dos serviços prestados aos cidadãos e às empresas investidoras no concelho”, afirmou Cristina Canto Tavares.

Pub