Câmara de Lagoa regulariza situação profissional de vários funcionários

Decorreu, no passado dia 6 de janeiro, no salão nobre do edifício Paços do Concelho, a assinatura de contratos para integração do quadro de oito trabalhadores da Câmara Municipal de Lagoa, no âmbito do Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP), nomeadamente 3 Técnicos Superiores, 2 Assistentes Técnicos e 3 Assistentes Operacionais.

Segundo a Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública, as pessoas que exerçam ou tenham exercido funções, que correspondam a necessidades permanentes da Administração Pública, de Autarquias Locais e de entidades do Setor Empresarial do Estado ou do Setor Empresarial Local, têm a possibilidade de integração de trabalho no âmbito desse programa.

Assim, o Município de Lagoa regularizou os vínculos de um conjunto de colaboradores que satisfazem as necessidades permanentes de recursos humanos dos serviços da Câmara Municipal de Lagoa.

Durante a cerimónia de assinatura, a Presidente da Câmara Municipal de Lagoa, Cristina Calisto disse que, “este vínculo é representativo da colaboração de todos, ao longo dos últimos anos, ao serviço da autarquia e como factor de estabilidade profissional é sem dúvida uma excelente forma de começar o ano”.

Cristina Calisto quis ainda deixar algumas mensagens no decurso desta cerimónia, desde logo, “o compromisso e a responsabilidade com que deve ser encarada esta integração, pois além da imagem do funcionário público a defender,  há que continuar a corresponder às exigências e à complexidade crescente dos trabalhos e em alguns casos de novas funções que passarão a ser assumidas”.

 

A edil lagoense defendeu que ao contrário do que é veiculado por muitas pessoas, “dentro de uma Câmara Municipal trabalha-se muito, há muito trabalho feito fora de horas e requer de todos os colaboradores um aperfeiçoamento e um processo de aprendizagem constante, pois obedecemos a um quadro legal muito exigente e em permanente alteração e adaptação. Trabalhamos para o bem comum e para a causa pública, porém, somos, muitas vezes, incompreendidos e mal vistos pela opinião pública. No entanto, temos que quebrar essas opiniões dando bons exemplos do nosso trabalho, responsabilidade e compromisso”.