Câmara de Lagoa realizou 2ª edição dos “Suspeitos do Costume” nos Poços da Atalhada

A Câmara Municipal de Lagoa, através do Centro de Educação e Formação Ambiental de Lagoa – CEFAL, promoveu, na manhã do dia 21 de agosto, a segunda ação de limpeza, na zona dos Poços da Atalhada, no âmbito da ação de sensibilização “Os Suspeitos do Costume – Do Rio ao Mar, sem Lixo”. Esta iniciativa, proposta pelo programa Bandeira Azul 2019, teve como objetivo sensibilizar as pessoas para uma maior educação ambiental.

A ação de limpeza foi aberta à comunidade em geral e pretendeu identificar os resíduos mais abundantes e comumente encontrados nas zonas balneares e no meio marinho, alertando para a problemática do lixo marinho e dos problemas ambientais que dele advêm. A ANSA – Associação de Nadadores Salvadores dos Açores juntou-se a esta iniciativa, com a participação de um grupo de nadadores salvadores. Vários funcionários da autarquia ajudaram, também, nesta ação de limpeza. Outros voluntários quiseram, ainda, juntar-se a esta causa, tendo contribuído, todos juntos, para esta ação de limpeza e, acima de tudo, de sensibilização, por parte do CEFAL.

Os resíduos retirados foram, depois, separados, contabilizados e pesados. No total, foram contabilizados 32 quilos de resíduos. No top 10 dos resíduos mais encontrados, nesta segunda ação de limpeza, destacam-se madeiras, fragmentos de plásticos duros, cordas, ferro, sacos de plástico, fragmentos de vidro, esponjas, tampas, calçado e garrafas de plástico.

Para além da remoção dos resíduos, a Câmara Municipal de Lagoa, através desta iniciativa, pretendeu despertar a consciência das pessoas para a ligação existente entre os ecossistemas terrestres e marinhos e alertar para o facto da vida no mar estar tão dependente de pequenos gestos que partem de nós, nas nossas próprias casas e que fazem parte de uma cidadania ativa.

O programa Bandeira Azul, na edição de 2019, irá trabalhar o tema “Do Rio ao Mar sem Lixo”, sendo que, de acordo com as Nações Unidas, cerca de 80% do lixo marinho tem origem em atividades desenvolvidas em terra e, todos os anos, entre 1.15 e 2.41 milhões de toneladas de lixo chegam ao oceano, através dos rios. Os rios percorrem longas distâncias e ligam quase todas as superfícies terrestres ao oceano, o que faz deles um dos mais importantes campos de batalha na luta contra a lixo marinho.

Neste sentido, em 2019, o desafio do Programa Bandeira Azul é continuar a sensibilizar para o facto do lixo marinho ter origem em atividades terrestres, para as consequências dos comportamentos humanos e para o papel dos rios enquanto ponte de ligação entre terra e mar.

De referir que, este ano, a primeira ação de limpeza foi realizada a 21 de maio, tendo sido recolhidos 115 quilos de resíduos. O top 10 dos «suspeitos do costume», na altura, foram fragmentos de plásticos, tampas de plástico, sacos de plástico, fragmentos de vidro, cordas, madeiras, embalagens múltiplas, garrafas de plástico, calçado e esponjas.

No ano passado, o CEFAL elaborou, também, duas ações de limpeza, nos Poços da Atalhada, uma em abril, onde foram recolhidos, aproximadamente, 50 quilos de resíduos e outra em julho, em que foram recuperados 11 quilos de resíduos.