PUB

O presidente do Governo dos Açores disse hoje acreditar que o “bom senso” de Iniciativa Liberal (IL) e deputado independente “há de prevalecer” relativamente à estabilidade política na região, após o fim do acordo que suportava o executivo.

“Creio que o bom senso há de prevalecer e todos os que têm responsabilidades institucionais, não pelo protagonismo pessoal, mas pelo reconhecimento do interesse comum e público, naturalmente aportam, sobretudo, uma boa influência pela estabilidade”, afirmou.

Bolieiro, que falava à margem de uma visita a um centro médico em Ponta Delgada, respondia aos jornalistas após ter sido questionado sobre a posição do Representante da República (RR) para os Açores, que alertou o deputado da IL e o independente Carlos Furtado para a importância da “estabilidade política”.

PUB

O presidente do Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM) realçou ainda a necessidade de “minimizar os impactos negativos” das crises inflacionista e da guerra na Ucrânia.

“Se cuidarmos das crises reais e evitarmos as artificiais já é um bem público que alcançamos”, declarou.

Sobre se o RR devia ter tido uma posição pública após IL e independente terem rompido o acordo que dava aos partidos que suportam o executivo maioria absoluta no parlamento regional, o governante considerou que os “primeiros responsáveis” em “despoletar uma crise pela instabilidade” são os partidos políticos.

“O primeiro responsável é sempre aquele que pode espoletar uma crise pela instabilidade e isso está no domínio dos partidos políticos. Esses é que devem ser os primeiros a considerar qual o seu papel na democracia e na estabilidade política governativa”, destacou.

Bolieiro exemplificou que os partidos podem promover a estabilidade não apresentando uma moção de censura ao Governo Regional.

“O parlamento dos Açores pode promover a estabilidade, não criando, desde logo através de instrumentos que estão previstos e que são democráticos, por exemplo, uma moção de censura. Portanto, são todos corresponsáveis”, vincou.

Numa carta datada de 10 de março, enviada pelo RR à IL, a que agência Lusa teve acesso, Pedro Catarino revela ter tomado a “devida nota da decisão tomada” pelo deputado liberal Nuno Barata em “denunciar o acordo de incidência parlamentar” com o PSD.

Pedro Catarino diz ainda estar “convencido de que a IL continuará a ter em conta tais valores na sua participação nos trabalhos da Assembleia Legislativa”, referindo-se à estabilidade política.

Contactado pela agência Lusa, o deputado independente, Carlos Furtado, confirmou que o RR na missiva que lhe dirigiu também alertou para os “valores da estabilidade política” e do “regular funcionamento dos órgãos do poder regional”.

A 08 de março, o deputado único da IL no parlamento açoriano, Nuno Barata, rompeu o acordo de incidência parlamentar de suporte ao Governo dos Açores, chefiado pelo social-democrata José Manuel Bolieiro, e depois o independente Carlos Furtado, ex-Chega, também rompeu com esse acordo.

Na sexta-feira, os dois deputados admitiram negociar “ponto a ponto” com o Governo dos Açores para manter a estabilidade governativa na região.

Os três partidos que integram o Governo Regional (PSD, CDS-PP e PPM) têm 26 deputados na assembleia legislativa e contam agora apenas com o apoio parlamentar do deputado do Chega, José Pacheco, somando assim 27 lugares num total de 57, pelo que perdem a maioria absoluta.

Pub