Boa gestão da pesca deve ser feita com qualidade e sustentabilidade

O Diretor Regional das Pescas afirmou que “fazer pesca em qualidade e respeitar a sustentabilidade dos recursos deve estar na base de uma boa gestão”, frisando, por isso, que a valorização dos produtos da pesca é “uma prioridade” para o Governo dos Açores.

Luís Rodrigues, que falava, na Lagoa, em S. Miguel, no final da iniciativa ‘Pesca na Ilha’, integrada no Festival Sabores do Mar, salientou que esta iniciativa “faz parte das medidas implementadas pelo Governo para a valorização dos produtos da pesca”, adiantando que já envolveu a participação de “mais de 1.000 pessoas” em várias ilhas dos Açores.

“O conceito ‘Pesca na Ilha’ tem o objetivo de ligar um produto da pesca à identidade de cada ilha, organizando pequenos fóruns de discussão, envolvendo a investigação, a gestão, a produção e a restauração”, frisou o Diretor Regional, acrescentando que a iniciativa, para além das instituições da pesca, envolve as forças vivas locais, “procurando projetar os produtos da pesca e, ao mesmo tempo, dignificar o setor e a comunidade piscatória.”

A Raia é uma espécie que começa a fazer parte da cultura gastronómica da cidade da Lagoa e, por isso, a Direção Regional das Pescas organizou, com a Camara Municipal, a associação de pescadores Bom Porto e a Federação das Pescas dos Açores, um espaço de reflexão e debate, aberto à comunidade, que juntou investigadores, gestores, produtores e chefes de cozinha, culminando com a degustação de pratos de Raia, preparados por um jovem formador da Escola de Turismo e Hotelaria.

No ano passado foram descarregadas 61 toneladas de Raia, das quais 35 toneladas em São Miguel, a um preço médio de dois euros.

“É uma espécie de baixo valor comercial, pelo que faz parte das espécies que, há dois anos, têm vindo a ser promovidas”, afirmou o Diretor Regional das Pescas.

O valor total da venda desta espécie nos Açores em 2018 foi de 94 mil euros, tendo as vendas em São Miguel registado um valor de 71 mil euros.