O resultado ficou construído ainda dentro dos primeiros 45 minutos, com Nuno Coelho – expulso no início da segunda parte – a adiantar os ‘azuis’, aos nove, e a resposta do conjunto de Ponta Delgada a surgir aos 40, por Zé Manuel, resultado que mantém as distâncias na classificação. O Belenenses continua no sétimo lugar, com 39, e o Santa Clara no oitavo, com 36.

Os dois técnicos preferiram não mexer muito nos ‘onzes’, efetuando apenas uma alteração relativamente à ronda anterior no campeonato. Nos visitantes, João Henriques colocou Francisco Ramos no lugar de Lucas Marques, enquanto na formação da casa, Silas fez entrar Matija Ljuji, enquanto Jonatan Lucca nem se sentou no banco de suplentes.

RESUMO

Os açorianos nunca venceram em casa dos ‘azuis’ e o tento madrugador de Nuno Coelho vinha dificultar ainda mais a tarefa de contrariar esse registo.

Com o Santa Clara mais expectante e recuado no seu meio-campo, foi a equipa de Silas a ter a iniciativa desde início, começando quase sempre a construir de trás, ainda que tenha sido num livre cobrado por Diogo Viana que o Belenenses abriu o marcador no Estádio Nacional à passagem do minuto nove, quando Nuno Coelho escapou aos centrais adversários e cabeceou para o golo.

João Henriques via os seus jogadores com dificuldades em ligar o jogo, sem correr riscos de maior e sem o objetivo de concretizar. Das escassas vezes que tentou assustar Muriel até introduziu a bola na baliza, por intermédio de Schettine, mas o golo viria a ser anulado pelo árbitro auxilar por posição irregular, posteriormente confirmado pelo videoárbitro.

Contudo, o lance invalidado acabou dar uma injeção de moral aos açorianos e, a cinco minutos do tempo de descanso, o Santa Clara chegou mesmo à igualdade, numa jogada de muita insistência de Zé Manuel, que, depois ver de dois remates bloqueados nos adversários, conseguiu bater Muriel.

O segundo tempo começou com uma contrariedade para o Belenenses, face à expulsão do central Nuno Coelho, obrigando Silas a restruturar o esquema tático e a abdicar da defesa a cinco, ficando também sem uma referência na frente.

Com mais um elemento, o Santa Clara cresceu no encontro, encostou os ‘azuis’ no último terço, porém as oportunidades foram desperdiçadas. Primeiro, Fábio Cardoso quase aproveitou, de cabeça, a má saída dos postes por parte de Muriel. Depois, viria a sofrer novo susto, desta vez por Schettine, que falhou de forma escandalosa sem marcação e com a baliza à mercê.

P Clube J V E D GM-GS P
1 FC Porto 28 22 3 3 58 – 17 69
2 Benfica 27 21 3 3 73 – 23 66
3 Sporting 27 18 4 5 53 – 28 58
4 SC Braga 27 18 4 5 46 – 27 58
5 Moreirense 27 14 3 10 33 – 34 45
6 V. Guimarães 27 12 6 9 31 – 24 42
7 Belenenses 28 9 12 7 34 – 30 39
8 Santa Clara 28 10 6 12 34 – 34 36
9 Rio Ave 27 8 8 11 36 – 40 32
10 Portimonense 27 9 5 13 36 – 43 32
11 Aves 28 8 6 14 28 – 39 30
12 Marítimo 27 9 3 15 19 – 33 30
13 Boavista 28 8 5 15 22 – 36 29
14 V. Setúbal 27 6 10 11 21 – 27 28
15 Nacional 28 7 6 15 30 – 58 27
16 Tondela 27 6 7 14 29 – 41 25
17 Chaves 27 6 6 15 20 – 39 24
18 Feirense 27 2 9 16 16 – 46 15