Banco Alimentar de São Miguel apresenta projeto piloto para o cultivo doméstico

Este projeto conta com várias entidades parceiras e o apoio da Vice-Presidência do Governo Regional dos Açores.

O Banco Alimentar Contra a Fome de São Miguel, a partir do mês de outubro, irá implementar um projeto piloto pedagógico para o cultivo doméstico de produtos agroalimentares, designado por ‘Rede de Quintais: Cultivar para uma Alimentação Saudável’, destinada a pessoas de menores rendimentos, residentes nos concelhos de Ponta Delgada e Lagoa.

As inscrições poderão ser efetuadas através das redes sociais do Banco Alimentar Contra a Fome de São Miguel e/ou na nossa sede social.

Assim, as pessoas selecionadas deste projeto poderão cultivar produtos agroalimentares (legumes, vegetais, hortaliças, fruta, etc.), a partir de casa, numa parcela de terra, para consumo próprio, reduzindo assim a sua dependência de apoios sociais e/ou efetuando uma poupança, uma vez que a sua produção terá custos muito inferiores à aquisição dos mesmos. Paralelamente, os excedentes agroalimentares produzidos poderão ser destinados ao Banco Alimentar para redistribuição, para além destes poderem ser trocados ou vendidos, através da rede e mercado local, promovendo uma economia solidária.

Este projeto surge numa lógica de continuidade das ações de sensibilização inerentes à iniciativa de ‘Cultivo de Quintais’, iniciada em 2018 pelo Banco Alimentar em parceria com a Cresaçor e visa, sobretudo, a produção de alimentos, através do fomento e capacitação da prática da agricultura tradicional e/ biológica, promovendo hábitos alimentares saudáveis alimentação saudável e uma progressiva autonomização alimentar dos agregados familiares acompanhados pelo Banco Alimentar.

Para além deste, existem outros desideratos que nos propusemos a implementar, junto dos
destinatários deste projeto, entre os quais: reconhecer, maximizar e adequar as competências pessoais, sociais e profissionais dos/as beneficiários/as; proporcionar processos de aquisição de conhecimento técnico através de formação “on the job”; promoção de uma economia circular e a adoção de práticas ecológicas e sustentáveis; procurar constituir um “mercado” local para troca e venda dos produtos excedentes, promovendo o empreendedorismo.

Luísa César, presidente do Banco Alimentar contra a Fome de São Miguel, reconheceu a
‘importância multidimensional do projeto ‘Rede de Quintais’, afirmando: ‘Este é um projeto
inovador, mas, acima de tudo, emergente na sociedade civil e estou convicta do seu sucesso. Para além de ajudar as pessoas mais carenciadas através de donativos de bens alimentares, é nossa missão criar condições de sustentabilidade futura para que os índices de pobreza possam vir, progressivamente, a diminuir. Para além de cedermos produtos, ensinamos as pessoas a cultivarem os seus próprios bens agro-alimentares.’

 

Pub