PUB

Os presidentes das duas Câmara Municipais da ilha das Flores, nos Açores, manifestaram hoje preocupação, porque a ilha está sem ser abastecida por via marítima, admitindo que possam faltar bens se o barco não atracar na próxima semana.

Na quinta-feira, o navio que abastece a ilha não conseguiu descarregar a mercadoria porque o porto está “praticamente sem quebra-mar”, após a destruição de 2019 feita pelo furação Lorenzo ter sido agravada pela tempestade de sábado.

O diretor regional da Mobilidade adiantou hoje à Lusa que “na próxima quarta-feira”, o navio “deverá voltar outra vez às Flores” para uma nova tentativa de atracagem.

PUB

Rui Coutinho disse também que “além do voo normal de hoje, que transporta 1.800 quilos de carga de bens perecíveis, a SATA vai realizar, esta tarde, um voo de reforço com 800 quilos de bens perecíveis para a população da ilha das Flores.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz das Flores afirmou que o constrangimento na operação do navio que abastece a ilha, devido ao mau tempo, “é uma situação que preocupa muito”.

“Os comerciantes estão preocupados, nós estamos preocupados e as pessoas estão preocupadas”, sustentou José Carlos Mendes (PS).

O autarca disse que o voo de reforço, previsto para esta tarde, “não representa rigorosamente nada”, ainda para mais numa época de Natal, quando “as encomendas são reforçadas”.

“Os contentores estão em São Miguel. O barco só deverá voltar às Flores na quarta-feira. Ainda não faltam bens de primeira necessidade mas, a partir de agora, as coisas vão começar a ficar mais difíceis”, considerou o presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz das Flores.

Lembrando que está em causa o único porto comercial da ilha, o autarca assinalou que a ponte-cais “necessita de uma proteção para se poder operar” com mau tempo.

“O porto foi destruído há três anos e levamos três anos a fazer a ponte-cais, mas no inverno o mar não está calmo”, alertou, referindo-se à destruição da infraestrutura portuária, na sequência da passagem, em 2019, do furacão Lorenzo.

Também o presidente da Câmara Municipal das Lajes das Flores disse estar “a acompanhar a situação”.

“O problema é o estado do mar, uma vez que o porto foi reaberto”, referiu à Lusa o autarca Luís Maciel (PS).

Segundo o autarca, devido ao mau tempo a ilha “é pontualmente” afetada com “a falta de alguns bens”.

“Mas esta situação acontece ocasionalmente. E, agora é natural que haja rotura de algum bem. Mas os bens essenciais não estão a faltar e há garantia do Governo de acionar outros meios”, sustentou Luís Maciel.

Em 21 de outubro a operacionalidade do porto das Lajes das Flores foi reposta com a primeira atracação do navio “Monte da Guia” na nova ponte-cais, entretanto construída.

O projeto do porto para repor “definitivamente” a capacidade portuária da infraestrutura das Lajes das Flores tem previsão de lançamento de procedimento concursal no primeiro trimestre de 2023.

A obra deverá ficar concluída até final de 2028.

Pub